8 frases que indicam que sua empresa pode quebrar

Especialistas mostram que tipo de atitude pode fazer com que o seu negócio feche as portas antes de dar resultados

São Paulo – De acordo com o Sebrae, quase 80% das pequenas empresas quebram no primeiro ano de vida. Isso se deve, em grande parte dos casos, a erros que estavam na base do negócio e que não foram detectados como prejudiciais para o bom desenvolvimento da empresa. “Qualquer falta de profissionalismo é prejudicial e mostra que a falta da gestão faz com que as chances de prosperar sejam muito pequenas”, diz Rodrigo Zeidan, professor de economia e finanças da Fundação Dom Cabral.

Para seguir no caminho certo, é preciso entender a importância de um bom planejamento. “Para evitar que um negócio quebre, é preciso que seja feito um planejamento prévio, pois ele é um resumo de todas as ações que você precisa assumir para que a empresa prospere”, recomenda Luiz Biagio, professor da Business School São Paulo.  

Nele devem constar informações básicas como a quantidade de capital necessária para manter a empresa, a avaliação do mercado, do perfil do cliente, da concorrência e dos fornecedores, e a regulamentação do setor em que sua marca se encaixa. “Faça desse planejamento o seu livro de cabeceira, para que você evite problemas. Mas é claro que é preciso sempre ajustá-lo conforme as mudanças do mercado”, avalia o professor. 

Por isso, é tão importante que o empreendedor fique atento às atitudes que são assumidas no seu negócio. Com a ajuda de especialistas, EXAME.com elaborou uma a lista dos erros mais comuns que acabam levando uma empresa à falência. Fuja de todos eles para que a sua marca dê certo.

1. “Depois eu acerto as finanças”

Não tem como manter um negócio funcionando bem se o lado financeiro não estiver a pleno vapor. “É preciso ter controle de caixa para que a marca progrida. E aqui não entram, apenas, as finanças básicas da empresa. É preciso saber, também, se a produção está funcionando e se o preço praticado está adequado, pois todas as áreas devem ser monitoradas”, diz Ari Rosolem, consultor do Sebrae-SP.

Lembre-se, ainda, de que você tem despesas fixas e variáveis para arcar no fim do mês e que isso deve fazer parte do seu planejamento financeiro para evitar sustos.


2. “Quanto mais estoque, melhor”

É claro que o estoque deve sempre corresponder às necessidades da empresa. Mas, às vezes, o empreendedor não percebe que algumas ações podem estar sendo prejudiciais para a saúde do negócio. “No caso do estoque, o melhor é comprar menos para que ele gire mais rápido e gere mais dinheiro. Então, não caia na armadilha de adquirir grandes quantidades de um mesmo produto porque ele está saindo demais, pois ele pode ficar encalhado, gerando prejuízo”, alerta Rosolem.

3. “Dinheiro da empresa é dinheiro do dono”

Sempre tenha uma regra na cabeça: é fundamental que você separe a sua vida pessoal do caminho que a empresa precisa seguir. Por isso, nada de usar o caixa do negócio para pagar contas particulares.

“Mas caso a empresa já pague mensalmente débitos que deveriam sair do seu salário, coloque essas despesas nos custos fixos para que o lado financeiro do seu empreendimento fique redondo. Analise se isso não está sacrificando o seu negócio e, se estiver, é hora de recalcular os seus gastos”, recomenda Rosolem.

4. “Investimento no negócio é gasto”

Mesmo acreditando que a empresa está indo muito bem e não precisa de mudanças, os empresários não devem passar por cima de oportunidades de investimentos. “Isso costuma acontecer quando são tomadas decisões baseadas em instintos emocionais, outro erro que pode levar a empresa para o buraco”, conta Zeidan. Quando bem feito, um investimento nunca atrapalha os negócios.

5. “Vou insistir neste projeto mesmo com prejuízo”

O empreendedor pode ser apaixonado pelo seu negócio. Mas é preciso retroceder quando as coisas não vão bem. “Em casos de empresas que não rendem lucros, ou que estão dando prejuízos, é preciso repensar o negócio. Esse resultado pode ser consequência, também, da falta de projetos e de novas fontes de financiamento”, lembra Zeidan.


6. “Quem decide tudo é o dono”

Repare nas empresas bem sucedidas: muitas delas elevam à posição de sócio empregados chaves na organização, o que traz satisfação em fazer parte da equipe. “Não siga a cultura de controle comum no empresário brasileiro. Não querer dividir o poder dentro da organização é reflexo do medo do crescimento e de não saber delegar. Não se orgulhe de decidir tudo sozinho, pois essa atitude revela uma péssima escolha em quais projetos você deve concentrar seu tempo”, aconselha Zeidan.

7. “Atendimento é um detalhe”

De nada adianta todo o esforço nos bastidores do negócio, se na hora de se relacionar com o cliente você não se sair bem. “Empresário deve ter paciência para entender as exigências dos clientes. Por isso, é essencial que você o trate bem”, pondera Rosolem.

Uma boa estratégia para agradá-lo, inclusive, é planejar o seu preço de venda com margem para dar descontos quando o cliente pedir. “Mas não queira ser tão bonzinho a ponto de financiar demais a compra. Antes de tomar essa atitude é preciso fazer cálculos para saber se a empresa terá dinheiro para arcar com essa despesa”, diz, ainda, o profissional.

8. “Ser empreendedor não influencia no sucesso”

Há ainda outro fator muito importante para uma empresa saudável: ser empreendedor. “É preciso que você levante os seus pontos fortes e fracos para saber se você tem jeito para esse papel. Não adianta seguir apenas seu feeling. Isso é um grande erro. E lembre-se de que, para dar certo, você precisará ter conhecimento sobre a sua empresa, sobre o seu produto, e sobre finanças”, conta Biagio, professor da Business School São Paulo.