7 perguntas obrigatórias antes de lançar um novo produto

Incrementar o portfólio pode trazer muito benefícios para o seu negócio, mas o planejamento é crucial

São Paulo – Uma pequena empresa tem várias formas de crescer. Uma delas é oferecendo mais produtos aos consumidores. O crescimento, no entanto, só vem se este lançamento for bem planejado e não aleatório.

Marco Antonio Machado, professor de Plano e Gestão de Marketing do Ibmec/MG e da PUC/MG, explica que o processo de planejamento para um novo produto é semelhante em grandes ou pequenos negócios, mas costuma exige mais dos pequenos empreendedores. “A filosofia é mais ou menos a mesma, independente do tamanho. As pequenas não vão ter um aparato que possa coletar mais informações e, às vezes, é o dono que vai fazer tudo”, diz.

Para ajudar nesta tarefa, Machado elaborou um passo-a-passo preciso para quem vai lançar um novo produto. Veja as dicas abaixo.

1. De onde vem a ideia?

Lançar um novo produto amparado no sentimento ou nas concepções do dono pode ser um erro fatal. Por isso, Machado explica que a ideia do novo item pode vir de uma necessidade do mercado ou mesmo por ter habilidade em produzir aquilo. “O processo normal é detectar uma oportunidade e, depois, investigar se há mercado para isso”, ensina.

Mesmo sem condições de fazer uma pesquisa muito elaborada, nesta etapa, o empresário deve conversar com pessoas que conhece, clientes e até funcionários para entender se o produto tem lugar no mercado.

2. Como é esse mercado?

Já com certeza de que há um mercado consumidor, é hora de verificar qual o tamanho deste público. “Isso ele faz considerando uma série de variáveis, como o que está acontecendo na economia, o aumento de renda ou mudanças no hábito de consumo. Mesmo baseado no seu sentimento, ele tem que ver notícias sobre economia e tendências”, indica o professor.


A partir daí, é preciso identificar se a concorrência já lançou ou planeja lançar algo semelhante. “Precisa ver se o mercado tem concorrentes, se são fortes ou se você está mais livre para atuar, diz Machado.

3. A empresa está pronta?

Com esta análise externa pronta, é hora de olhar para dentro e avaliar as possibilidades internas da empresa. “Com isso, ele vai conseguir formar um panorama e fazer uma análise das oportunidades, ameaças e suas forças e fraquezas”, indica. Se a oportunidade e os pontos fortes prevalecerem, é hora de partir para o próximo passo.

4. Quais são seus objetivos?

Sem objetivos bem definidos, o lançamento e todo este planejamento perdem sentido. Quais são as oportunidades e os objetivos? “A partir desses objetivos, ele vai montar a estratégia e o posicionamento”, afirma. Muitas perguntas devem ser respondidas neste ponto.

Pergunte-se como vai conseguir alcançar a posição que quer ocupar na mente do cliente, quem é o cliente alvo, onde ele está, se ele vai vir do concorrente, se são os atuais consumidores do negócio ou uma nova categoria que sua empresa ainda não atende.

“Ele deve definir qual o posicionamento que ele quer, se é ser o mais barato, o mais confiável ou que entrega mais rápido, por exemplo. Deve achar alguma vantagem que signifique valor para o consumidor”, explica Machado.


5. Qual a sua estratégia?

Com um posicionamento definido, a estratégia vai ajudar a planejar aspectos mais práticos do produto. “É hora de cuidar da fabricação, o que é o produto, a que preço e onde será vendido e como vai ser a distribuição”, explica.

As vendas podem ser diretas, pela internet ou através de atacadistas, por exemplo. “Neste momento, decida também como vai ser o esquema promocional e de comunicação e como vai fazer o mercado saber do novo produto”, diz o professor.

6. Qual o orçamento?

Com um panorama do mercado e da empresa, é preciso montar um orçamento para controlar o impacto do produto no negócio. “Coloque no orçamento a quanto pretende vender e quanto vai custar, incluindo valor dos impostos e de funcionários, de modo a ter noção de faturamento e lucro e fazer uma previsão de vendas”, diz.

A partir desse orçamento, monte um esquema de controle para saber se o plano está dando certo. “Isso vai ajudar a saber qual é a lucratividade e a rentabilidade do produto”, explica.

7. Qual o ciclo de vida deste produto?

Com todas as perguntas respondidas e o produto pronto, é preciso acompanhar de perto a evolução. “É importante fazer a atualização disso tudo e, periodicamente, verificar se não tem que fazer alguma modificação, se o mercado mudou e adaptar a estratégia”, afirma.

Faz parte desta etapa verificar o ciclo de vida do produto. Ele pode sofrer com a sazonalidade, o avanço da tecnologia ou a entrada de um novo concorrente.