6 mitos sobre investidores-anjo que muita gente acredita

Não basta ter uma boa ideia para que você receba um aporte de um investidor-anjo

O mundo dos negócios é repleto de discursos sobre o que se deve fazer para obter o sucesso ou mesmo o que não se deve executar para evitar falhas e fracassos. No universo das startups isso é ainda mais evidente, justamente por ser uma área relativamente nova no Brasil – ou por ter ganho mais destaque nos últimos anos.

Nesse sentido, é comum ouvir mitos diversos sobre a área, tanto no que diz respeito à construção da empresa ao que tange aos investimentos. Quando o assunto é investimento-anjo, é ainda mais fácil ouvir falar sobre ações inexistentes ou que não condizem com a realidade. Conheça seis mitos:

1. Investidor-anjo investe em ideias
Todo investidor, seja ele anjo ou parte de uma grande empresa de investimentos, investe em ideias. Afinal, o início de uma startup é justamente ter uma ideia que resolva determinado problema, de um público específico. Contudo, apenas falar a grande sacada que você teve não fará com que eles invistam em você. É indispensável que você tenha, pelo menos, um MVP (Minimum Viable Product) para comprovar a capacidade de execução e escalabilidade do negócio no mercado.

2. Investidores-anjo só investem em empresas de internet
Não caia nessa! Justamente por utilizar do próprio capital para o investimento, os investidores-anjo optam por investir em empresas do setor em que eles possuem mais conhecimento para analisar melhor a viabilidade do negócio – e isso pode não ser necessariamente na internet.

3. Investidor-anjo ajuda a quitar dívidas
O investidor-anjo não tem o papel de resolver seus problemas, especialmente os passados, assim, o capital que ele aportar nunca poderá ser utilizado para quitar dívidas pré-existentes. O investimento tem como papel somar ao negócio, ou seja, fomentar a expansão. Se você pretende ir em busca de um investidor-anjo para resolver os problemas que você não souber lidar, é melhor ter um plano b em mente.

4. O investidor-anjo mandará em seu negócio
Outro grande mito! O investidor é sempre minoritário, o que não dá a ele o poder de decisão. A participação dele virá como mentoria, direcionamento e participação das decisões estratégicas, mas como parte do board, não como quem decide o rumo dos negócios.

5. O investidor que tem “anjo” em sua denominação, aceita qualquer tipo e forma de negócio
Engana-se quem associa a palavra “anjo” deste tipo de investidor a alguém bonzinho, que apoiará qualquer tipo de negócio, da forma que ele for. O investidor-anjo, assim como qualquer outro investidor, almeja o retorno sobre o investimento realizado e, por isso, avaliará minuciosamente a sua proposta de negócio antes de optar pela sua startup em relação às demais.

6. Investidores anjo na realidade são diabos, pois só querem saber de ganhar dinheiro em cima dos empreendedores
Não é porque ele não é um “anjo” que será um diabo. Os investidores querem ter tanto retorno quanto os empreendedores, mas da mesma forma que estes, também querem ter o prazer de ajudar a construir empresas transformando startups em grandes negócios!

E você, possui mais alguma dúvida sobre investidores-anjo? Aproveite os comentários abaixo e descubra se é uma verdade ou um mito!