5 indícios para deixar o emprego e virar empreendedor

Especialistas listam fatores que podem auxiliar na decisão de pedir demissão para se dedicar integralmente ao empreendedorismo

São Paulo – Ser empreendedor costuma exigir dedicação integral. Mas as incertezas de abrir um negócio fazem com que muitos mantenham o emprego até sentir mais segurança. É difícil saber qual é o momento ideal de deixar a carteira assinada para se dedicar inteiramente a uma startup.

Para aqueles que estão acostumados a receber salário, a instabilidade, no primeiro momento, pode parecer uma opção temida. “Quem tem paixão, pode aguentar virar noites e trabalhar na madrugada, ralar fora do horário comercial”, conta Andre Diamand, investidor da VentureOne. A recomendação, neste caso, é tocar o seu negócio aos poucos.

A decisão de deixar o emprego não pode ser tomada de impulso. Para Marcio Santos Filho, associado da Inseed Investimentos, quando a mudança é feita de forma emocional a questão financeira é deixada de lado. Veja cinco sinais que podem indicar de que está na hora de trocar o emprego pelo empreendedorismo.

1. Os números são animadores

Se a startup começar a gerar receita, pode ser o momento de o empreendedor pedir demissão do emprego. Para Diamand, no início, sem um produto, por exemplo, é difícil mensurar se a ideia deu certo ou não.

Quando o gráfico de usuários começar a crescer exponencialmente ou a propaganda do aplicativo ou serviço começar a crescer por meio do boca a boca, é porque você tem razões para ficar animado.

2. Há interesse de investidores

Para investidores-anjo, a dedicação dos empreendedores é essencial para o sucesso da startup. “Se você acredita mais ou menos, você não consegue convencer as outras pessoas a acreditarem”, afirma Ricardo Normand, especialista em startups. Por isso, quando a ideia chamar a atenção deles, deixar o emprego pode parecer menos arriscado.

O valor do investimento pode não ser suficiente para cobrir o salário dos sócios, mas é um fator que mostra que o negócio está dando certo.


3. Há necessidade de foco

A chance de o negócio avançar quando os sócios não estão à frente do negócio integralmente é pequena. Se a startup tem três sócios e eles não conseguem largar o emprego para uma dedicação full time, pode ser o caso de um ter que assumir o risco.

Deixar o emprego para resolver problemas da startup, conversar com investidores ou buscar clientes é uma maneira de ajudar o negócio a crescer.

4. Você tem estabilidade financeira

Quando chegar a hora de investir na ideia, é importante colocar as contas em dia e prestar atenção nos gastos. “Nessa fase, não se endivide, mesmo que seja com a família”, recomenda Diamand.

O mais indicado é ter uma poupança para que o empreendedor possa se sustentar por quatro meses ou mais sem salário.

5. Não há pessoas dependendo de você

Empreender quando se tem uma família constituída envolve riscos diferentes de quando você é jovem e a lista de contas para pagar é ligeiramente menor. “Quando você mora com os pais e é solteiro, você acaba podendo correr mais riscos”, afirma Filho.

Por isso, mesmo que o negócio ainda não esteja maduro, entregar a carta de demissão é uma opção para os que acreditam mesmo no seu projeto.