4 lições da Cacau Show para ter um negócio de sucesso

Dono da maior rede de chocolate do país, Alexandre Costa diz que não dispensa a inovação, uma dose de disciplina e total controle sobre as contas para ser bem sucedido

São Paulo – Trufas, bombons e muito chocolate para a classe C. Esta foi a fórmula que levou a Cacau Show, empresa criada por Alexandre Costa, a faturar 1,2 bilhão de reais em 2011 e chegar ao posto de uma das maiores redes especializadas em chocolate do Brasil, com mais de mil lojas. A trajetória de empreendedor de Costa começou vendo a mãe, Vilma Costa, que vendia produtos de porta em porta.

Entre cosméticos, lingeries e utensílios domésticos, Vilma resolveu diversificar a atuação produzindo bombons, em 1984. Era o embrião da Cacau Show, mas não vingou.

Três anos depois, Costa retomou a ideia de vender chocolates no modelo de porta a porta. Aos 17 anos, o jovem distribuía além de ovos artesanais, suas trufas em padarias, lanchonetes e mercados de São Paulo.Nos anos 90, o direcionamento passou para grandes varejistas e, junto, veio um dos seus maiores tombos. “O empreendedor encara diversos desafios ao longo de sua jornada e, por isso, é necessário ser extremamente dedicado ao trabalho”, conta.

Com a falência de um dos seus maiores cliente, o Mappin, Costa precisou reinventar seu modelo de negócios e lançou a venda por catálogo e começou a inaugurar as primeiras lojas próprias. A partir de 2003, a empresa deu início ao plano de expansão e ao modelo de franquias. Hoje, são mais de 1100 lojas que comercializam cerca de 14 mil toneladas do chocolate ao ano. “Estamos no mercado há 23 anos, mas sempre trabalhando e investindo para inovar e levar aos consumidores muito mais do que um produto e sim uma experiência e uma nova forma de presentear e degustar o chocolate”, explica Costa. Veja algumas dicas de Alexandre Costa para quem quer começar a empreender.

1. Insista

Muitas pessoas não se arriscariam em investir em um negócio que já não tinha dado certo na própria família. Para Costa, insistir e estabelecer metas foi sua grande tacada de mestre. “Estabelecer metas arrojadas e associá-las a prazos é fundamental para o crescimento”, ensina.

Segundo Costa, os obstáculos aparecerão, mas devem ser encarados como um “tempero que ressalta o sabor das conquistas”. “Com apenas 17 anos, tive que ser ousado a ponto de investir em matéria-prima com dinheiro emprestado, assim como contratar uma senhora que fazia chocolates caseiros para me ajudar. Nunca pensei em desistir e hoje vejo que a forma como conduzi este e outros desafios fizeram o meu negócio prosperar tanto”, afirma.


2. Diferencie-se

O grande diferencial de Costa, desde o início, foi a oferta de produtos semelhantes aos vendidos na concorrência, por um quinto do preço. Com isso, a Cacau Show conseguiu atrair os consumidores da classe C.

Alexandre Costa atribui isso a sua capacidade de sair da rotina e prestar atenção no redor. “Nos tempos de hoje, é lei criar, recriar, pensar, repensar e fazer os melhores produtos com as melhores qualidade e tecnologias”.

Para ele, um empreendedor deve ser capaz de inovar sempre, buscando o diferencial na qualidade, no atendimento, no preço ou, ainda, com a combinação de tudo isso. “Um empreendedor jamais deve perder o entusiasmo ao enfrentar alguma resistência: as grandes inovações sempre parecem ideias arrojadas demais, mas é preciso surpreender sempre.”

3. Seja disciplinado

Logo que decidiu retomar a ideia da Cacau Show, Costa aceitou uma encomenda de 2 mil ovos de Páscoa de 50 gramas, um tamanho fora do padrão na época. “Tive disciplina quando prometi uma entrega que no fim não conseguiria cumprir até que alcancei uma solução que me fez realizar jornadas de 17 a 18 horas diárias de trabalho árduo”, conta.

A solução foi contratar uma pessoa que conheceu enquanto comprava barras de chocolate. Assim, em apenas três dias e com a ajuda de uma funcionária, o jovem empreendedor conseguiu entregar o pedido a tempo. Para ele, disciplina “deve ser a palavra de ordem em qualquer empresa”.

4. Tenha os pés no chão

Para conseguir retomar a ideia da Cacau Show, Alexandre Costa pegou um empréstimo de 500 dólares. Esse foi o único dinheiro externo que utilizou até então. “A partir do momento em que me dei conta dos custos, procurei não fazer empréstimos para suprir minhas necessidades e procurei reinvestir sempre”, lembra.

O cuidado deve estar em não se deixar levar pelo aparente aumento do caixa para suprir sonhos pessoais, que, segundo ele, devem ser deixados de lado nos primeiros momentos da empresa. “Muitos empreendedores iniciantes se deixam seduzir pelos primeiros lucros e esquecem que o reinvestimento é o caminho obrigatório para crescer com solidez”, ensina.