15 cidades incríveis (e pouco conhecidas) para abrir negócios no Brasil

Mapeamento da Associação Brasileira de Startups mostra regiões afastadas dos polos de inovação, mas com uma forte comunidade de startups

São Paulo – O Brasil possui entre 10 e 15 mil startups – e muitas delas estão em lugares pouco conhecidos por sua inovação, mas muito promissores para quem procura abrir seu próprio empreendimento disruptivo em oceanos mais azuis.

A maioria das startups, é bem verdade, está nas metrópoles de que todos se lembram. Belo Horizonte, Florianópolis, São Paulo e Rio de Janeiro são alguns exemplos. Mas um mapeamento da Associação Brasileira de Startups (ABStartups) mostra que há comunidades de startups nascendo em áreas menos saturadas.

Alguns destaques são Fortaleza (Ceará), Londrina (Paraná) e Uberaba (Minas Gerais), “ambientes vibrantes” e que se fortalecem “intensamente” como comunidade para ter cada vez mais projeção internacional. A análise é de Marcos Medeiros, gerente de comunidades da ABStartups e responsável pelo mapeamento.

“Toda vez que fixamos os olhares para os grandes centros econômicos do país, deixamos de ver a quantidade de talentos, histórias e grandes cases de sucesso em outras regiões com menor visibilidade. É importante dar mais conexões e janelas para elas, pois assim esses ecossistemas se tornam mais fortes, dando mais suporte aos atuais negócios e inspirando empreendedores – favorecendo o surgimento de mais e melhores startups.”

Veja, a seguir, 15 cidades incríveis (e pouco conhecidas) para abrir negócios no Brasil:

1 — Belém (Pará)

26. Belém

 (Divulgação/Embratur/)

Belém, cidade do estado do Pará, possui 23 startups mapeadas pela ABStartups, sendo que a maioria atua em comunicação e mídia (8,7% do total de startups mapeadas). Alguns empreendimentos disruptivos destacados são 4Advisory, Inteceleri, Moobi, Okalev, Payticket, Sicombus, Yet Go e Yfit.

Belém ferve com eventos empreendedores. É possível, por exemplo, ir à Feira do Empreendedor, ao Demoday Amazônia Up, ao Hackaton da Visa, ao Start Day Sebrae, ao Startup Launch da Kyvo e ao Startup Weekend.

Alguns grupos empreendedores são o Açaí Valley e o AJE Pará. Há incubadoras do Sebrae e de universidades como UEPA e UFPA, além da aceleradora Sai do Papel. O Amazônia Up e a Anjos do Brasil oferecem investimento-anjo, enquanto o Inovatech/FAPESPA oferece incentivo à pesquisa empreendedora.

Algumas empresas notáveis para o ecossistema da região são Alubraz, Alunorte, Extrafarma, Grupo Líder e Natura.

2 — Campo Grande (Mato Grosso do Sul)

10º lugar: Campo Grande (MS)

 (Fund. Tur. Mato Grosso do Sul/Divulgação)

Campo Grande, município no Mato Grosso do Sul, possui 53 startups mapeadas em setores como educação (9,43%), internet (9,43%) e agronegócio (7,55%). Entre os negócios inovadores estão Automobi, Before, Dinneer, Jera, Namoro Fake, Nastek, Optimale, Portal Educação (comprado pelo UOL Educação), Reclame Aqui, Reduza, Trucadão.

Campo Grande é palco de eventos como o Bootcamp/Sebrae, o Campus Day e o Startup Weekend. Algumas outras instituições que organizam eventos constantemente é a UFMS, a Associação dos Jovens Empreendedores (AJE) e o Conselho de Jovens Empreendedores (CJE/MS).

A Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul lança editais para startups. Os grupos de investimento Anjos do Brasil, Cerrado e Gávea Angels também estão presentes no município, tal como as gigantes Águas Guariroba, Energisa, NET/Embratel e o Sistema Famasul.

3 — Caxias do Sul (Rio Grande do Sul)

22º lugar: Caxias do Sul (RS)

 (Andréia Copini/Divulgação prefeitura de Caxias do Sul/)

Caxias do Sul possui 18 startups mapeadas em segmentos como comunicação e mídia, TIC e telecom, meio ambiente e imobiliário (5,56% cada). Alguns empreendimentos inovadores criados na região são Agente G, Allps Alimentos Saudáveis, App Minha Escola, Boletão, Criativando, Fast2pay, MeEmpresta, Murbi, O Sucateiro, Piipee, Progene e Ubistart.

A cidade do Rio Grande do Sul possui diversos eventos. Alguns deles são o Acelera Serra Summit, o Amazon Experience Day, o Campus Day, Fórum de Inovação CIC, o Gramado Summit, Road Show Conexão Startup+Indústria da Fiergs e o StartupON Caxias.

Além do Parque de Ciência e Tecnologia da UCS e do Parque Tecnológico do Senai, Caxias do Sul possui incubadoras das instituições de ensino FTEC, IFRS e também da UCS. A StartUCS faz pré-acelerações, enquanto o Ventiur faz acelerações. O GVAngels e o Trampolim Investimentos marcam presença na região, assim como as gigantes Fras-le, Grendene, Grupo Randon, Sicred, TOTVS e Tramontina.

4 — Cuiabá (Mato Grosso)

A Arena Pantanal, em Cuiabá, Mato Grosso

 (FIFA via Getty Images/)

O município do Mato Grosso possui 42 startups mapeadas em setores como mobile, entretenimento e construção civil (7,14% cada). Alguns exemplos de startups da região são Dropo, Eats For Your, Escola Agro e Estuda.com.

Cuiabá é palco de diversos eventos: Bootcamp Sebrae, Empretec Sebrae, Meetup StartupMT, Meetup Parque Tecnológico MT, Sebrae Startup Day, Startup Weekend e Women TechMakers Cuiabá são alguns exemplos. A região também possui financiamentos à inovação, como o Projeto de Lei de incentivo e promoção do desenvolvimento à startups, editais da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat) e o programa Conexão Agrihub.

5 — Fortaleza (Ceará)

7º - Região Metropolitana de Fortaleza - IVS 0,346

 (Wikimedia Commons/)

Fortaleza, no Ceará, foi carinhosamente apelidada de “Rapadura Valley” pela ABStartups. Foram mapeadas 118 startups no local, a maioria no setor de saúde e bem-estar (5,93%). Algumas startups destacadas pelo estudo são Agencia Edu, Delfos, Desenrolado, GoCase, Mobilis, Resolvvi e TotalCross.

Fortaleza é palco de eventos como Startup Weekends e os Meetups StartupCE (do Sebrae). O estado abriga a Rede de Incubadoras do Ceará, que inclui incubadoras universitárias da IFCE, UECE e Unifor. Nas instituições de ensino superior também há parques tecnológicos, como o Tec Unifor e o Padetec/UFC. Universidades como essas ajudam a formar talentos para as startups da região.

Algumas aceleradoras são a Baita Nordeste, a Casa Azul Ventures, a ICC BioLabs e a Wave. Empresas como a alimentícia M. Dias Brancos e o instituto de pesquisa Fiocruz ajudam a fortalecer o ecossitema de inovação em Fortaleza, assim como a presença da entidade de investimento Anjos do Brasil CE. Algumas iniciativas governamentais para o empreendedorismo são os programas Corredores Digitais, CriarCE, Citinova e Funcap.

6 — Goiânia (Goiás)

Goiânia (Goiás)

 (Foto/Wikimedia Commons)

A cidade de Goiás apresenta 88 startups mapeadas, com principal atuação em agronegócio e educação (5,68% cada). Algumas startups da região são Auvo, Buzz Lead, Congressy, Easy Crédito, Hiib Technologies, Nectar, Resultys e Soluti.

Goiânia recebe eventos como a Conferência Anprotec (Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores), o Programa de Pré-Aceleração Sebrae e o Startup Weekend.

Há diversas entidades de apoio na cidade, como a aceleradora ACE e incubações universitárias da PUC Goiás, UEG e UFG. Existem também coworkings da Associação Comercial do Estado de Goiás (Acieg), do Núcleo de Ciência e Tecnologia do Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Goiânia (Codese), da Fundação de Amparo à Pesquisa e Tecnologia do Estado de Goiás (Fapeg) e do Senai.

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Emprapi), a Fapeg e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) oferecem financiamentos a projetos inovadores.

7 — Joinville (Santa Catarina)

31 - Joinville (SC)

 (Wikimedia Commons/)

Joinville, em Santa Catarina, possui 46 startups mapeadas. Os principais setores são agronegócio, internet e finanças (6,52% cada). Alguns cases de sucesso são Asaas, Camerite, Conta Azul, Gofind, JetBov, Meus Pedidos, Motoboy.com, Pollux e Treasy.

Exemplos de eventos da região são Expo Inovação, Feira do Empreendedor, Startup Weekend e StartYou. Associações de empresários de Joinville como ACIJ, AJORPEME, ASSESPRO e CDL também promovem atividades. A região é cheia de aceleradoras e incubadoras, como Spin, Cause e Softville, além dos parques tecnológicos Inovaparq e Ágora Tech Parq e das mentorias do Joinville Startups e do Startup SC. Não é necessário alvará para empresas de tecnologia.

Algumas gigantes presentes em Joinville são Amanco, BMW, Embraco, General Motors, Laboratório Catarinense, Lynx, Tigrem TOTVS e Whirpool.

8 — Juiz de Fora (Minas Gerais)

35º Juiz de Fora (MG) - 1,2x índice de epidemia

 (Wikimedia Commons/)

Juiz de Fora, em Minas Gerais, possui 45 startups mapeadas, com principal atuação no varejo e atacado (8,89%). O principal setor de atuação é do varejo e atacado (8,89%). A cidade possui negócios inovadores como Alakarte, Brazip, E-auditoria, Guiando, Handcom, HiDoctor, iPixel, Nova Prolink, ProDoctor, Qranio, SemSenha e SmartNX.

A cidade mineira possui eventos como os Bootcamps do Sebrae, além do StartupDay Sebrae, o Startup Weekend e o WomenWill. Há incubadoras como as da UFJF e programas de mentoria como Embrapa Ideas4Milk (para startups na área do leite) e Minas Hub Digital.

A região possui uma alíquota de 2% de ISS para empresas de tecnologia da informação, enquanto o normal é de 5%, informa a ABStartups.

9 — Londrina (Paraná)

Londrina, no Paraná

 (Thinckstock/)

Londrina, no estado do Paraná, teve 43 startups mapeadas pela ABStartups em setores como TIC e telecom, finanças e varejo a atacado (4,65% cada). Alguns negócios inovadores da região são Acesso Digital/Arkivus, Agribela, Bart.Digital, Cash Auto, Deliveria, Egasosa, Moskit CRM, Quality Storm, Yazo e Yuze.

Dá para participar de atividades como o Café Tec/Sebrae, o Demoday Go Agritech, o Founder Institute Start Event, o Pavilhão Smart Agro do Expo Londrina, o Sebrae Like a Farmer, o Startup Day Sebrae, o Startup Weekend e o StartupON. Há hackatons para construtechs, esporte e saúde, legal hackers e smart agro. Alimentos o ecossistema de desenvolvedores instituições de ensino como IFPR, Pitágoras, Positivo, PUCPR, Senai, UEL, Unopar e UTFPR.

Há diversos parques tecnológicos, como Distrito Tecnólogico, Parque Tecnológico de Londrina Francisco Sciarra e Tecnocentro. Também há presença forte de aceleradoras, como Founder Institute, Go Agritech, Hotmilk PUCPR e ISAE Business.

10 — Manaus (Amazonas)

Teatro Amazonas à noite, em Manaus, AM

 (PobladuraFCG/Thinkstock)

O município de Manaus, no Amazonas, conta com 44 startups mapeadas em setores como eventos e turismo (6,82%) e TIC e Telecom (4,55%). Alguns exemplos são Buritech, Communy, DreamKid Studio, eMercado, Ganhe na Tela, Onisafra, Teewa e Trocados.

A região é palco de eventos como a Conferência Amazônia de Empreendedorismo e Inovação, o DemoDay Amazonas, o Meetup Jaraqui Valley, o Startup Weekend e o VH Summit. Alguns espaços de coworking conhecidos são o Cardume, o Impact Hub e o Samsung Ocean Manaus – a gigante possui também na região o programa de investimentos Samsung Creative Startups.

Universidades como UEA, UFAM e Uninorte formam talentos, enquanto a região é cheio de institutos para pesquisas aplicadas, como o Centro de Desenvolvimento Empresarial e Tecnológico (CDTECH), o Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), a Fundação Amazônia Sustentável, a Incubadora de Empresas da Universidade do Estado do Amazonas, a Incubadoras de Empresas do IFAM e o Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia – INPA.

11 — Natal (Rio Grande do Norte)

Praia de Ponta Negra, em Natal (RN)

 (diegograndi/Thinkstock)

A cidade de Natal é a casa de 31 startups mapeadas, atuando principalmente no setor de comunicação e mídia (9,68%) e eventos e turismo (6,45%). Algumas startups destacadas são Autoforce, Credere, FindMe, Fixit, Inovall, Klipbox, Linkest, Outgo, Overmedia Cast, Soft Urbano e Surf Mappers.

Natal é palco de eventos relevantes, como a Campus Party e um Startup Weekend. Também conta com grupos como o Pyladies, para mulheres programadoras, e a Liga de Empreendedorismo Potiguar.

A rede Anjos do Brasil está presente, assim como incubadoras tecnológicas de instituições de ensino, como IFRN, ITNC, UFRN e UnP. Tais universidades e institutos fornecem talentos para o ecossistema de startups local.

12 — Rio Branco (Acre)

Rio Branco (Acre)

 (Embratur/)

Rio Branco, no Acre, possui 11 startups mapeadas pela ABStartups. A maioria atua nos setores de educação (27,27%) e de varejo e atacado; serviços profissionais, científicos ou técnicos; e recrutamento (9,09% cada). Alguns exemplos de negócios inovadores locais são Busca Peças, Lance Certo, Nativus Live e Royal Advice.

Rio Branco é palco de iniciativas como Negócios na Prática, Papo de Empreendedor, Sebrae Startup Day, Startup Weekend, StartupDay e StartupON Rio Branco. Alguns grupos da região são Amazonia Valley e Aquiri Valley. As instituições de ensino IFAC e ITEC oferecem incubadoras, enquanto o Sebrae lab UFAC oferece pré-aceleração e mentoria. A FabriQ é uma aceleradora presente em Rio Branco.

Grandes empresas acreanas que se relacionam com a comunidade são, por exemplo, a telecom Cruzeirense, o negócio de consertos e peças automotivas Starmotors e os Supermercados Araújo.

13 — Salvador (Bahia)

Carnaval em Salvador

 (Valter Pontes/Secom/Divulgação)

Salvador possui 93 startups mapeadas, com maior foco em construção civil (8,6%) e educação (7,53%). Algumas startups de Salvador citadas no estudo são Absam, Agilize, Antecipa, Clvbe, Construcode, Cubos, Hubby, i4Sea, JusBrasil, Ouvimosvc, Pastar, QR Point, Sanar, SimplesVet e ZigPay.

Salvador é o cenário de eventos como Campus Party Bahia, Sebrae Like a Boss e Startup Weekend. Possui entidades como a All Saints Bay, a Associação Baiana de Startups e o Parque Tecnológico da Bahia. Há incubadoras ou aceleradoras em instituições de ensino como Uneb, Unifacs e Senai Cimatec e faculdades como UFBA, todas formadoras de empreendedores e talentos para startups.

Alguns investidores-anjo notáveis são Anjos do Brasil, Bossa Nova e Lighthouse. Empresas como a petroquímica Braskem e a construtora MRV completam o ecossistema.

14 — São José dos Campos (São Paulo)

Fábrica da Embraer em São José dos Campos, no interior de São Paulo

 (Germano Lüders/EXAME.com/)

São José dos Campos é um polo de tecnologia, com 52 startups mapeadas. O principal setor de atuação é o de agronegócio (7,69%). Algumas startups presentes na região são Allgoo, Altave, Autaza, Back4app, Bene, Databot, Designa, Electric Dreams, Guichê Virtual, Justto, Kuadro, Moneto, QMágico, Quero Educação, SoluCX, TecSus e Treevia.

São José dos Campos recebe diversos eventos, especialmente os focados em desenvolvimento e programação, como Code in Quero, Code in The Dark, DevOps Vale, Django Girls São José dos Campos, Front in Vale, Global Azure Bootcamp São José dos Campos e Google Developers Group Vale do Paraíba. Algumas redes de investimento são Criatec2, Fip Aeroespacial, Grao.vc e SPVentures.

Além do Parque Tecnológico São José dos Campos, com o hub de inovação Nexus, há as incubadoras de Jacareí, a Tecnológica Univap e a Incubaero. São José dos Campos conta com instituições de ensino como a Fatec São José dos Campos, o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), a Universidade Estadual Paulista (UNESP Guaratinguetá) e a Universidade de São Paulo (USP Lorena). As gigantes Airbus, Boeing, Bosch, Climatempo, Embraer, Ericsson, Fibria, Gerdau, General Motors, Johnson & Johnson, Somos Educação e Suzano marcam presença na região.

15 — Vitória (Espírito Santo)

Vitória, capital do Espírito Santo

 (filipefrazao/Thinkstock)

Vitória, no Espírito Santo, possui 29 startups mapeadas em setores como eventos e turismo, saúde e bem-estar e entretenimento (6,9% cada). Alguns negócios inovadores da região são Aratu, Cordis, MeuDinheiro, Mito Games, Olho do Dono, PicPay, Wine e Zaitt.

Na cidade, é possível frequentar eventos como Capital Empreendedor, Caravana de Empreendedorismo da Shell, Encontro Mensal do Ecossistema de Inovação Capixaba, Maratona de Negócios Sociais, Startup Day e Startup Weekend. Há parques tecnológicos do Centro de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento e da Fábrica de Ideias, além das mentorias SebraeLAB e SebraeUP. Instituições de ensino como IFES e UFES possuem incubadoras, e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEXVitória) realiza investimentos em startups locais. A gigante Vale marca presença em Vitória.