Volkswagen eleva exportação e passa a embarcar o sedã Virtus para o México

A montadora respondeu por 25% dos embarques de veículos do país no primeiro semestre e está ampliando o número de destinos de seus modelos

Enquanto a indústria automotiva trabalha para compensar a queda das exportações, impactadas pela crise na Argentina – seu principal cliente -, a Volkswagen está na contramão desse fluxo. A montadora foi responsável, no primeiro semestre, por 25% dos embarques de automóveis e comerciais leves no país e o modelo Virtus acaba de ganhar  o mercado do México.

“O Virtus foi totalmente desenvolvido no Brasil e está contribuindo para reforçar ainda mais a relevância da Volkswagen em toda a América Latina”, diz Pablo Di Si, presidente e CEO da empresa para América do Sul e Brasil.

As exportações totais de veículos a partir do Brasil recuaram 41,5% no primeiro semestre, para 221 mil unidades, de acordo com dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). 

Segundo a entidade, o principal motivo da queda é a crise na Argentina, destino da maior parte dos embarques brasileiros de veículos. Neste cenário, Di Si informa que a Volkswagen está trabalhando para ampliar o leque de destinos das exportações da montadora.

Produtos em alta

Na classificação da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), o Virtus – produzido em São Bernardo do Campo, São Paulo – é o sedã compacto mais vendido no acumulado de janeiro a julho, com 42,1% de market share, seguido do Toyota Yaris (28,2%) e do Honda City (14,8%).

De acordo com a Volkswagen, desde o seu lançamento, em janeiro de 2018, o Virtus já acumula mais de 64 mil unidades comercializadas, sendo 17,3 mil destinadas à exportação.

A marca também acaba de iniciar os embarques da picape Saveiro ao Peru, ampliando o portfólio de modelos exportados a partir do Brasil.