Volks deve exportar 6 mil unidades do T-Cross para o México em 2019

O SUV lançado em abril deste ano também é responsável por parte do crescimento da participação de mercado da marca alemã no Brasil

O SUV da Volkswagen, T-Cross, vai passar a ser exportado para o México. Segundo a montadora, 6 mil unidades do utilitário esportivo produzido em São José dos Pinhais, Paraná, devem ser embarcadas para o mercado mexicano neste ano.

Em 2020, o modelo também deve chegar ao continente africano. “O T-Cross é o primeiro SUV produzido pela Volkswagen no Brasil e chegará ao México para fortalecer e ampliar ainda mais a presença da marca nesse importante mercado da América Latina”, afirma Pablo Di Si, presidente e CEO da Volkswagen América Latina.

O modelo é responsável por parte do crescimento da participação de mercado da montadora no país. Lançado em abril, o T-Cross já vendeu cerca de 15 mil unidades no Brasil, confirmando o gosto do brasileiro pelos SUVs.

Segundo a Volks, em agosto, o T-Cross teve seu melhor mês de vendas, com mais de 4,2 mil unidades entregues, o que garantiu à montadora um market share de 16,8%, melhor resultado mensal da marca desde fevereiro de 2015.

Veja também

O avanço vem em um momento em que o setor automotivo começa a dar sinais de desaceleração. Depois de uma retomada contínua das vendas desde o ano passado, as montadoras apresentaram queda em agosto, acendendo o alerta para uma possível contaminação do pessimismo que ainda permanece na economia brasileira.

No mês passado, os licenciamentos de veículos recuaram 2,3% na comparação anual, segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). No acumulado do ano, porém, as vendas ainda apresentam alta, de 9,9% sobre igual intervalo de 2018.

Já a produção interna tem sido impactada negativamente pela queda das exportações. A crise na Argentina, principal mercado consumidor do Brasil no setor, vem derrubando os embarques de veículos.

Neste horizonte nebuloso, a Volkswagen espera diversificar cada vez mais os destinos da sua produção local. “Em 2020, a exportação do T-Cross deve alcançar 50 países”, estima Di Si.