VCP terceiriza logística de suas fábricas

Um dos maiores negócios em logística industrial já feitos no país acaba de ser fechado. A VCP, empresa de papel e celulose do grupo Votorantim, está terceirizando todo o processo logístico industrial de duas de suas unidades, localizadas em Jacareí e Luiz Antônio, ambas no interior de São Paulo. Todo o processo de recebimento e transporte de matérias-primas, armazenagem, movimentação de estoques intermediários no interior das instalações, expedição para os clientes e gerenciamento da mão-de-obra relacionada a essas atividades foi entregue a dois prestadores especializados em serviços logísticos. A logística da fábrica de Luiz Antônio ficou com a holandesa TNT e a de Jacareí foi entregue à brasileira Wilson, Sons.

Os dois operadores logísticos ganharam uma concorrência, apoiada pela consultoria do Coppead, que envolveu mais de 50 empresas. Na fase final do processo de escolha ficaram seis empresas: ALL, DHL, Lubiani e Julio Simões, além das vencedoras. “Escolhemos a TNT e a Wilson, Sons porque suas propostas eram as que não apenas diminuíam custos, mas apresentavam formas logísticas eficientes, como mudanças de tecnologias e reorganização de processos”, diz Francisco Pires, gerente de projetos logísticos da VCP. “Optamos por ter uma empresa cuidando de cada fábrica para que haja um ambiente competitivo e ao mesmo tempo colaborativo, no qual soluções encontradas por uma possam ser adotadas pela outra.”

O objetivo da VCP é reduzir seus custos de logística industrial em 10% no prazo de um ano. O contrato com os operadores prevê compartilhamento de reduções de custos que vierem a ser alcançados – uma prática cada vez mais adotada nesse tipo de terceirização.

Com esse contrato, previsto para durar três anos, a VCP passa a ser um dos maiores clientes da Wilson, Sons em logística industrial, área responsável por 205 milhões dos 512 milhões de reais que a empresa faturou no ano passado. A divisão, que conta com grandes clientes, como Xerox e Merck, foi criada em 1998 e tem crescido a taxas de 50% ao ano. “Estamos apostando muito no crescimento desses novos negócios”, diz Sergio Fischer, diretor de logística da Wilson,Sons. É em grande parte com o incremento dessa área que a Wilson, Sons pretende obter um faturamento de 690 milhões de reais em 2003.

A entrada da VCP no portfólio da TNT também é importante para a consolidação da estratégia da empresa de crescer no segmento de logística industrial. Nesse caminho foi importante a conquista recente da conta da Braskem. Para a TNT, a VCP vai representar um faturamento de mais de 20 milhões de reais por ano – uma parcela significativa para os 300 milhões de reais de receita de 2002. Alem da VCP e da Braskem, outro cliente importante para a TNT, até há pouco tempo concentrada no setor automobilístico, foi a Philips. Nas mãos da TNT desde meados de março, os custos dos processos logísticos da Philips assumidos pela TNT já caíram 23%.