Vale prevê retomada do minério após queda surpreender

Mineradora aguardava queda de preços principalmente por causa do aumento na produção da Austrália, mas tombo de 20% no valor do produto em apenas duas semanas surpreendeu

Rio de Janeiro – A Vale, maior produtora mundial de minério de ferro, espera que os preços do produto voltem a subir assim que a oferta refletir a saída do mercado de fornecedores chineses de maior custo, um processo que já começou, disse o diretor-executivo de Ferrosos e Estratégia da companhia, José Carlos Martins nesta quinta-feira.

A mineradora já aguardava por uma queda de preços principalmente por causa do aumento na produção da Austrália, mas o tombo de 20 por cento no valor do produto em apenas duas semanas pegou a companhia de surpresa, disse o executivo à Reuters em entrevista concedida na sede da companhia.

“No mercado que forma preço, a China, a oferta passou a superar a demanda, e quando isso ocorre os preços caem, é natural… O que me surpreendeu foi a dimensão da queda, foi maior do que esperávamos”, afirmou o executivo.

O preço da matéria-prima do aço recuou um terço desde o início de julho, voltando a custar o mesmo praticado em outubro de 2009. Desde o início do mês passado, as ações da Vale recuaram cerca de 15 por cento. Nesta quinta-feira, o papel fechou com baixa de 0,4 por cento.

Martins disse que a Vale continua tendo rentabilidade apesar da queda aguda nos preços do minério, responsável pela maior parte da sua receita. E descartou a possibilidade de a empresa reduzir produção por causa dos preços atuais.


“Quem tem que parar de produzir é quem tem custo alto. Os níveis de preço caíram bastante, mas ainda são rentáveis para nós… Pelo menos 30 da oferta de minério tem custos maiores que os níveis atuais de preços; esse pessoal vai ter que encolher.”

Excesso de oferta – Com base em dados estatísticos, Martins afirmou que não houve queda na demanda por minério de ferro na China, mas sim em outros mercados. “Além do aumento de produção na Austrália, muito minério que antes estava indo para outros mercados passou a ir para a China”, disse.

O executivo lembrou que a produção de aço continua subindo na China, enquanto as importações sobem ainda mais, sinalizando que siderúrgicas chinesas estão substituindo minério doméstico com custo maior por produto importado, geralmente mais barato porque é produzido em larga escala por grandes mineradoras como a Vale.

“É muito difícil medir o ponto em que o produtor menos eficiente sai do mercado, mas isso já está ocorrendo, porque se a China aumentou a produção de aço em 3 por cento entre janeiro e julho (em relação ao mesmo período de 2011) e aumentou a importação em 9 por cento, é sinal que minério importado já começou a substituir o minério local”, acrescentou Martins.

Mercado temeroso – Analistas de mercado e investidores demonstram cada vez mais preocupação com a queda no preço.

Mesmo antes de se acentuar, a queda no preço da commodity no segundo trimestre já havia afetado o lucro da Vale, que desabou 48 por cento, para 5,3 bilhões de reais.

Por causa da queda, a Vale decidiu revisar investimentos. Projetos com problemas ambientais, que já estavam na mira do presidente Murilo Ferreira, perderam ainda mais força com a nova realidade da demanda mundial.

“A principal questão na conjuntura atual é saber se a queda é de curto prazo… refletindo um mercado bem abastecido na China… se em seguida veremos preços voltando aos níveis de seis semanas atrás, ou se o recuo é o começo de um inevitável movimento de volta a preços normais”, assinala o Credit Suisse, em relatório ao mercado divulgado nesta quinta-feira.