Vale compra Fosfertil e minas da Bunge por US$ 3,8 bi

Empresa surpreende o mercado e diz que fará oferta também pelas ações dos minoritários da Fosfertil

A Vale informou nesta quarta-feira que celebrou contrato de compra de 100% dos ativos de fertilizantes da americana Bunge no Brasil. A Vale concordou em pagar 3,8 bilhões de dólares, valor máximo estipulado pela mineradora quando alertou o mercado há duas semanas que estava em negociação com a Bunge.

Pelos termos do acordo, a Vale vai pagar 1,65 bilhão de dólares por minas de rocha fosfática e plantas de processamento de fosfatados da Bunge e outros 2,15 bilhões de dólares para adquirir a participação de 42,3% detida pela empresa americana no capital da Fosfertil. A transação não envolve negócios de varejo ou distribuição de fertilizantes.

A Vale também anunciou um contrato de opção de compra de ações da Fertifos, que detém 56,73% do capital da Fosfertil. A mineradora terá direito de comprar 1,46% das ações da Fertifos que estão em poder da Fertilizantes do Paraná e da Fertilizantes Heringer por um total de 81,5 milhões de dólares.

A transação está sujeita às aprovações usuais de órgãos governamentais competentes. Caso a transação seja aprovada, a Vale lançará uma oferta pública obrigatória para comprar as ações ordinárias detidas pelos acionistas minoritários da Fosfertil pelo mesmo preço pago aos controladores.

A Vale não revelou sua estratégia em relação às ações preferenciais – que têm mais liquidez no mercado, A mineradora poderá fazer uma oferta pelos papéis no futuro, mas não há garantia de que o preço oferecido será vantajoso aos minoritários, já que os papéis não possem “tag along” (extensão da oferta feita aos controladores para os acionistas minoritários). Às 16h04, os papéis preferenciais da empresa caíam 3,05%, para 18,41 reais.(Continua)


A Vale é a maior exportadora de minério de ferro do mundo e também uma das líderes em níquel. A compra dos ativos da Bunge confirma o interesse da mineradora em crescer rapidamente no mercado de fertilizantes. Além de adquirir ativos em potássio (matéria-prima para fertilizantes) da Rio Tinto, a Vale tem se envolvido frequentemente em possíveis fusões no setor. Chegou a negociar a aquisição da americana Mosaic, mas não conseguiu fechar um acordo.

Bastante criticado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva por investir no exterior, o presidente da Vale, Roger Agnelli, afirmou que “esta operação é de fundamental importância para a consolidação da estratégia da Vale em focar o Brasil como o grande mercado para sua produção de fosfatados, tendo em vista o potencial das minas locais, bem como o crescimento associado aos projetos desenvolvidos no exterior, como Bayóvar e, no futuro, Evate, todos com produção prioritariamente destinada ao mercado brasileiro”.

No dia 15 de janeiro, quando a Vale tornou pública as negociações com a Bunge, o mercado chegou a especular sobre uma possível mudança na direção da Fosfertil, já que seus principais executivos são ligados à Bunge. Para a Fator Corretora, no entanto, seria interessante para a Vale manter o atual corpo de executivos na operação.

No comunicado, a Vale diz que ainda não sabe de que forma vai absorver a Fosfertil. “A Vale realizará estudos com respeito à combinação dos ativos e empresas adquiridas, bem como outros ativos de fertilizantes já possuídos pela Vale no mundo. Neste estágio, não há indicação que nos permita afirmar que tais análises possam conduzir à reorganização corporativa. Tão logo tais estudos sejam concluídos e decisões sejam tomadas, a Vale as tornará publicas.”