Trump diz que vai reduzir a taxa de imposto às empresas para 15%

O presidente eleito dos Estados Unidos apresentou hoje um plano para incentivar as empresas norte-americanas a permanecer no país

Indianápolis – O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, apresentou hoje um plano para incentivar as empresas norte-americanas a permanecer no país.

A ideia é reduzir a carga de impostos para 15%, dos atuais 35%, além de um corte drástico nas regulações e a implantação de multas severas para as companhias que saírem dos Estados Unidos.

“Eu quero dizer a todas as outras empresas que nós tomaremos grandes ações para os negócios. Não há mais motivo para ir embora”, disse Trump durante um evento promovido pela Carrier, uma empresa de ar-condicionado que faz parte da United Technologies Corp.

Oficiais do Estado de Indiana concordaram em dar à empresa um total de US$ 7 milhões em incentivos fiscais durante 10 anos para encorajar a Carrier a manter os cerca de 1.100 empregos no Estado.

Em contrapartida, a empresa planeja investir cerca de US$ 16 milhões para manter suas operações no estado, incluindo uma usina que a Carrier pretendia fechar e mudar para o México.

Trump aproveitou o momento para reforçar sua promessa de campanha de um muro na fronteira entre os EUA e o México.

“Acreditem em mim, nós vamos construir um muro”, afirmou. Ele também criticou o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês), que envolve o Canadá, o México e o EUA, chamando-o de “um total e completo desastre”. Fonte: Dow Jones Newswires.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Isadora Teixeira Araujo

    Agora a elite intelectual anti governista/institucionalista delirou. Mas sabem a finalidade da medida? Leia a matéria, cara elite. Não é isso que você está pensando. Tem mais estado aí, por mais que não pareça. Doa a quem doer. E ainda fica minha dúvida sobre a quantas andam as contas do governo americano para se realizar tantos investimentos (prometidos) ao passo que se reduz impostos ao mesmo tempo. Eita. Agora pisou o pé no acelerador. Por um outro lado, não parece bom, aos que são nacionalistas econômicos, medidas que gerem mais empregos dentro do próprio país? Claro! Mas não sei se o PNB do país dirá o mesmo. De todo modo, isso só mostra que o Bernie estava certo quando jogou a realidade na cara do Alan Greenspan. Por fim, acho que a resposta que o FED vai dar sobre isso tudo nos próximos anos é o que mais vai ser relevante para o Brasil. Esse homem é polêmico mesmo.