Temporada de balanços mostra melhora lenta entre as empresas

Com 2018 se aproximando, cresce a esperança dessas empresas e de seus investidores de um ano, enfim, positivo

A situação das maiores empresas do país realmente melhorou. É o que ficou comprovado na temporada de balanços do terceiro trimestre, que se encerrou na terça-feira. Juntas, as 56 empresas listadas no Ibovespa quase triplicaram seus lucros, na comparação com o mesmo período do ano passado. O valor passou dos 13,3 bilhões de julho a setembro do ano passado para 38,5 bilhões de reais.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Mas antes que uma euforia se forme, vamos às distorções. O resultado foi impactado por uma melhora significativa nos resultados das exportadoras de celulose Fibria e Suzano. Ambas conseguiram aproveitar a oferta reduzida da commodity para subir seus preços. Com isso, o lucro da Fibria cresceu 23 vezes, para 743 milhões de reais, e o da Suzano, 15 vezes, para 801 milhões de reais.

Outras duas empresas também tiveram grande impacto no balanço geral: a mineradora Vale e a estatal Petrobras. A Vale teve lucro de 7,14 bilhões de reais no terceiro trimestre, ante 1,84 bilhões no mesmo período do ano passado. A melhora foi atribuída a uma elevação do preço do minério de ferro e à nova política de controle de custos. Já a Petrobras, apesar de voltar ao azul, decepcionou o mercado. O lucro no período foi de 266 milhões de reais (impactado por despesas não recorrentes), ante o prejuízo de 16,5 bilhões do ano passado. A expectativa de analistas era de um lucro de 3,56 bilhões de reais.

Excluindo o resultado das exportadoras de celulose, Petrobras e Vale, o que se tem é uma melhora ainda pequena: o lucro das integrantes do Ibovespa cresceu 2,18 bilhões de reais na comparação trimestral. A situação reflete a melhora ainda lenta e gradual da economia brasileira. Empresas mais dependentes do consumo e do crédito, como a construtora Cyrela e a administradora de shoppings BR Malls, ainda tiveram quedas em seus ganhos (no caso da Cyrela, o resultado final foi um prejuízo).

Com 2018 se aproximando, cresce a esperança dessas empresas e de seus investidores de um ano, enfim, positivo. A instabilidade da bolsa, por sua vez, deve continuar, impactada pelas incertezas do cenário político no país. Balanços saudáveis e índice em alta, como se sabe, nem sempre caminham juntos.