SulAmérica vê chuva aguar lucro trimestral

Excesso de chuvas no Rio de Janeiro e Pernambuco aumentou os custos da seguradora

São Paulo – A SulAmérica encerrou o segundo trimestre com uma queda de 40,3% em seu lucro líquido e um aumento de 1,5 ponto percentual em seus custos. Em relatório, os analistas Guilherme Assis e Daniela Bretthauer da Raymond James, consideraram os resultados “fracos”.

Embora o trimestre tenha sido impactado por fatores não recorrentes – como chuvas excessivas e um aumento de provisão – os analistas não perdoaram o resultado.  “Embora estejamos conscientes de que o segundo trimestre inclui alguns fatores sazonais, ainda acreditamos que os números foram fracos”, afirma o relatório.

A sinistralidade (que indica os custos) total da SulAmérica foi de 78,2% no trimestre, sendo que ela melhorou 2,7p.p no segmento de saúde, e piorou 6,3p.p. em seguros de automóveis. A empresa responsabilizou, em parte, as chuvas no Rio de Janeiro e em Pernambuco por esse aumento. Contribuíram para esse aumento também, fatores relacionados ao aprimoramento de processos internos.

A sinistralidade também cresceu bastante em seguros de pessoas – 80,5 p.p. Isso ocorreu por causa de um aumento de 76,5 milhões de reais na provisão para insuficiência de prêmios (PIP) contabilizado no período – conseqüência de revisão de estimativa motivada por decisão judicial  em processo onde a Sul América é parte, envolvendo questões relacionadas à adaptação de apólices de seguro de vida em grupo promovidas em 2006.

O lucro líquido do trimestre somou 30,0 milhões de reais – o que indica uma queda de 40,3% em relação ao mesmo trimestre de 2010, devido em especial a esse incremento de provisão registrado na carteira de seguros de pessoas.

No segundo trimestre, a SulAmérica registrou 2,3 bilhões de reais em prêmios de seguros (que indicam o faturamento nesse setor), um aumento de 16,0% em relação ao mesmo período de 2010. O segmento de seguro saúde representa 2/3 do total de prêmios da empresa, seguido por automóveis (com 23,8%); pessoas e outros ramos (com cerca de 5% cada).

Saúde 

No seguro saúde, o destaque da empresa foi para as pequenas e médias empresas. No trimestre, o segmento registrou um aumento de 24,0% no número de beneficiários da carteira em relação ao mesmo de 2010.

O segmento de operações de saúde e odontologia acumulou receita de 1,5 bilhão de reais no trimestre, com crescimento de 19,5% em relação ao mesmo de 2010. A sinistralidade total do segmento de saúde no período caiu 2,7 pontos percentuais em relação ao mesmo período de 2010. A queda deve-se a diminuição da frequência de utilização e melhores contratos de prestadores de serviços médicos, segundo a Sul América.


A empresa tem focado em odontologia – tanto que em dezembro de 2010 ela comprou a Dental Plan. Com a aquisição, a SulAmérica somou à sua carteira de planos odontológicos mais de 120.000 novos membros. “A estratégia é colocar mais foco, mais recurso e crescer não só organicamente mas também olhando possibilidades de aquisições”, disse Thomaz Menezes, diretor presidente.

Seguro de automóveis

Os prêmios do segmento de seguros de automóveis totalizaram 548,1 milhões de reais no trimestre, com crescimento de 10,2%  sobre o segundo trimestre de 2010. “Não há uma previsão de como (o setor) vai se comportar no segundo semestre, mas não vamos comprometer margem para sustentar a posição no ranking”, disse Arthur Farme, diretor vice-presidente corporativo e de relações com investidores, em teleconferência sobre os resultados. 

No segmento “outros ramos elementares”, o prêmio de seguros aumentou 10,2 % e o índice de sinistralidade aumentou 3,5 pontos percentuais. Em seguro de pessoas, o crescimento do prêmio de seguros foi de 8,3%. O índice de sinistralidade aumentou 80,5 p.p