Statoil inicia produção de petróleo na Bacia de Campos

Produção deve transformar a empresa norueguesa na segunda maior operadora do Brasil

Rio – A companhia de petróleo norueguesa Statoil anunciou hoje o início de sua produção no Campo de Peregrino, a 85 quilômetros da costa, na Bacia de Campos (RJ). A produção offshore (fora do continente) da companhia irá aumentar gradualmente até atingir o nível de 100 mil barris de óleo por dia, o que deve transformar a empresa na segunda maior operadora do país, atrás somente da Petrobras. A Shell e a Devon, que já operam campos na Bacia de Campos, atingiram um máximo 60 mil barris diários produzidos no Parque das Conchas e em Frade, respectivamente.

O campo de Peregrino fica em uma lâmina de água de 100 metros nos blocos BM-C-7 e BM-C-47. A primeira fase do desenvolvimento inclui duas plataformas fixas de perfuração e uma FPSO (iniciais em inglês para Floating Production, Storage and Offload Unit, um navio-plataforma).

Está planejada a perfuração de 37 poços, todos usando tecnologia avançada de poços horizontais, para maximizar a recuperação de petróleo. O campo contém entre 300 mil e 600 mil barris de petróleo recuperáveis com um potencial significativo ainda a ser descoberto. Um poço exploratório está sendo perfurado na área sul do Campo de Peregrino para explorar esse potencial. Seguindo a completação desse poço, um outro poço adicional será perfurado nessa área.

O presidente da Statoil no Brasil, Kjetil Hove, explica que a experiência da Statoil nas operações na Noruega é aplicada no Brasil. “O campo de Peregrino demonstra toda nossa técnica em gerenciamento de projetos, execução e gerenciamento de reservatórios e subsuperfície. Estamos utilizando a experiência adquirida na plataforma continental norueguesa para dividir competências e experiências, assim como criar valor localmente no Brasil”, afirma.

O Campo de Peregrino foi descoberto em 1994. A Statoil adquiriu 50% da descoberta do campo em 2005 e depois comprou os demais 50% e o título de operadora em 2008. Em maio de 2010, a Statoil vendeu 40% de participação no campo para o Grupo Sinochem, por US$ 3 bilhões. Hoje, a Statoil detém 60% do campo, além da operação. O fechamento dessa transação ainda depende de autorizações governamentais.