Samsung utilizará o S6 para desafiar o iPhone da Apple

Os smartphones S6 estão crescendo nas expectativas dos analistas e poderão ajudar a Samsung na batalha contra a Apple pela liderança do mercado

Seul – Os smartphones S6 da Samsung Electronics Co., que serão lançados na sexta-feira, estão crescendo nas expectativas dos analistas em relação ao primeiro aumento dos lucros em seis trimestres.

No momento, a empresa batalha contra a Apple Inc. pela liderança no mercado mundial de dispositivos móveis.

A renda operacional terá um salto para mais de 8 trilhões de won (US$ 7,4 bilhões) nos três meses que finalizam em junho, o primeiro ganho desde 2013, segundo estimativas da IBK Securities Co. e a HMC Investment Securities Co.

Depois que os ganhos informados para o primeiro trimestre na terça-feira superaram as expectativas, outros cinco analistas disseram que eles também planejavam incrementar suas projeções de lucros.

A Samsung conta com novos designs para atrair usuários dispostos a pagar mais pelas novas funções e recuperar clientes perdidos para a Apple, que escolheu a sexta-feira para começar a vender seu primeiro relógio inteligente.

Os modelos Galaxy S6, entre eles uma versão mais cara com uma tela com vários lados, ajudarão a restabelecer as margens afetadas pela concorrência com fabricantes de custo menor na China e na Índia, disse Lee Seung Woo, analista da IBK.

“A Samsung vai ganhar uma bolada graças a uma alta significativa das margens com o S6 Edge, que é mais caro”, disse Lee. “Pode ser que os lucros da sua divisão de dispositivos móveis quase dobrem no segundo trimestre”.

O alvoroço com o S6 ajudou a alimentar um rali das ações da Samsung, tendo acrescentado cerca de US$ 16 bilhões ao valor de mercado da empresa desde 1º de março, quando os smartphones foram apresentados.

As ações subiram 1,2 por cento, para 1.479.000 won, no encerramento do pregão em Seul, levando seu ganho desde a apresentação dos smartphones para 9 por cento.

Margens mais altas

A renda operacional caiu 31 por cento, para 5,9 trilhões de won, nos três meses até março, segundo a empresa com sede em Suwon, Coreia do Sul.

O resultado ultrapassou a média de 5,5 trilhões de won de 36 estimativas de analistas compiladas pela Bloomberg. As vendas declinaram 12 por cento, para 47 trilhões de won, disse a Samsung na terça-feira.

A margem operacional da Samsung subiu para 12,6 por cento no primeiro trimestre, a maior taxa em três trimestres.

É provável que a margem da empresa se beneficie porque a proporção de smartphones exclusivos na sua mistura de vendas superará 30 por cento, disse em uma nota Sundeep Bajikar, analista da Jefferies Group LLC.

A renda operacional da Samsung no segundo trimestre quase certamente seja de 7,5 trilhões de won, com base na média de 6 estimativas de analistas compiladas pela Bloomberg desde o informe de lucros da terça-feira. A empresa ganhou 7,2 trilhões de won no ano anterior.

Gastos em marketing

A renda operacional da divisão de dispositivos móveis no primeiro trimestre provavelmente caísse para 2,3 trilhões de won com vendas de 27,1 trilhões de won, segundo a mediana de estimativas de cinco analistas consultados pela Bloomberg News.

A Samsung quase certamente enviou 81 milhões de smartphones no mundo inteiro durante os primeiros três meses de 2015, uma alta de 7 por cento em relação ao quarto trimestre, disse a Daewoo Securities em um relatório publicado em 27 de março.

Apesar das vendas mais lentas de smartphones prêmium, é provável que a demanda por modelos mais baratos do Galaxy e a redução de gastos em marketing durante o trimestre tenham ajudado a desacelerar o declínio da unidade.

A Samsung fabricará o chip principal no próximo modelo do iPhone, recuperando um cliente perdido anteriormente para a Taiwan Semicondutor Manufacturing Co., disseram fontes do setor neste mês.

“O entusiasmo do mercado com o modelo S6 Edge parece superar por muito aquele pelo modelo de tela plana e é questionável afirmar que a Samsung pode fabricar suficientes modelos de tela curva para satisfazer a alta demanda”, disse Claire Kyung Min Kim, analista da Daishin Securities Co. em Seul.

“O dispositivo Edge aumentará ainda mais a brecha entre a empresa e as outras fabricantes de smartphones que usam o sistema Android”.