Rival da Uber, Cabify vai investir US$ 200 milhões no Brasil

O valor, um dos maiores aplicados no País por uma empresa estrangeira nesse segmento, deve acelerar a expansão do serviço espanhol no Brasil

O aplicativo de carona paga Cabify vai investir US$ 200 milhões no Brasil a partir da metade deste ano. O valor, um dos maiores aplicados no País por uma empresa estrangeira nesse segmento, deve acelerar a expansão do serviço espanhol no Brasil e promete acirrar a disputa pelos passageiros de carona, mercado também explorado por empresas como a norte-americana Uber e a brasileira 99. O Cabify não revela ao longo de quanto tempo o capital será investido no País.

“Nós vemos mais oportunidades no Brasil e na América Latina do que na Europa”, diz o fundador e atual presidente executivo do Cabify, Juan de Antonio, em entrevista ao Estado no escritório da empresa em São Paulo. “Aqui, existem graves problemas com transporte público e mobilidade. É um mercado natural para investirmos.”

O valor, segundo a empresa, virá de uma nova rodada de investimentos série D, que será anunciada em breve – a empresa não revela quem são os participantes, mas, segundo apurou o Estado, a gigante do e-commerce Rakuten está entre eles. O grupo japonês, que participou das últimas duas rodadas da Cabify, não confirmou a informação para a reportagem.

A rodada não será exclusiva para investimento no Brasil e, por isso, o valor total será superior ao revelado pelos executivos do Cabify. Outros países onde a empresa atua – México, Chile, Argentina, Bolívia, Colômbia, Peru, Panamá, Equador, Portugal e Espanha – devem receber parcelas do aporte.

Com a nova rodada, o Cabify deve ganhar novo impulso contra as rivais. A empresa, que tem atraído brasileiros em busca de um serviço de carona alternativo ao Uber, só recebeu US$ 140 milhões em investimento até agora. Para efeito de comparação, o Uber já levantou mais de US$ 11,5 bilhões com investidores. A 99 outra empresa disputando o mercado, conseguiu, além de aportes anteriores não revelados, um investimento de US$ 100 milhões, liderado pela Didi, principal empresa de carona na China. Uber e 99 não revelam os investimentos já feitos ou planejados para o Brasil.

Surpresa. Investidores do ecossistema de startups se surpreendem com o valor de US$ 200 milhões, mas o consideram factível para o mercado. “É um valor muito elevado para uma empresa como o Cabify, mas faz sentido se eles querem abocanhar todo o mercado brasileiro”, diz o cofundador da aceleradora de startups Ace e investidor anjo, Mike Ajnsztajn. “É uma aposta arriscada.”

Segundo o diretor executivo da consultoria Accenture, Guilherme Horn, o valor deve corresponder a um investimento de longo prazo. “Se a empresa planeja investir esse montante ao longo dos próximos três anos, por exemplo, não é um número tão absurdo assim.”

O tamanho do mercado potencial de transporte por aplicativo justifica o investimento, na opinião do coordenador do centro de estudos em negócios do Insper, Paulo Furquim de Azevedo. “Se considerarmos que os aplicativos geram R$ 1,5 milhão por dia em São Paulo e o Cabify tem uma fatia de 40% do setor, sabemos que eles podem recuperar o valor investido em cinco ou seis anos”, diz.

Destino. De acordo com Daniel Bedoya, diretor-geral do Cabify no Brasil, o dinheiro será usado para expandir o serviço pelo Brasil – hoje, o Cabify só funciona em sete cidades, incluindo São Paulo. O plano é chegar, até o final de 2017, a todas as capitais do País. Para isso, a empresa terá de expandir o número de funcionários pelo Brasil, que hoje é de 150 pessoas.

O valor também deve ser usado para abrir escritórios nas novas cidades, o que é necessário para treinar os motoristas e entregar a eles as garrafas de água oferecidas como cortesia.

Os gastos da empresa também envolvem a estratégia para reter os motoristas. Para estimulá-los, a empresa paga R$ 600 em bônus para quem realizar 90 corridas em uma semana. “Quando expandirmos, queremos manter esse vínculo para não perdermos a qualidade”, diz Bedoya.

Do lado dos consumidores, a estratégia é dar descontos, que podem chegar a 70% nas corridas fora dos horários de pico. “É uma forma de investimento”, diz o cofundador do Cabify. “Daqui a um tempo, vamos ganhar dinheiro com as corridas que eles continuarem a fazer por meio da plataforma.”

Para o professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), Alberto Luiz Albertin o alto investimento no Cabify vai beneficiar o mercado como um todo. “O segmento fica ainda mais competitivo globalmente e a empresa reafirma a sua posição no Brasil”, diz. “Até pouco tempo as atenções estavam concentradas apenas no Uber.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Angelo Oliveira

    Só se com essa grana, forem comprar as operações da easy ou da Wappa.

  2. Seja motorista do Uber, ganhe um bonus para começar a dirigir, use o código 24zz3v98ue e ganhe até 800,00 em créditos apos realizar a vigesima corrida
    Ganhe até 30,00 em créditos no cabify use o codigo promocional thierryc3 e rode de graça.
    No uber ganhe até 25,00 Reais em créditos usando o codigo 24zz3v98ue.