Repsol não quer parceria de Chevron e YPF na Argentina

Empresa afirmou que tem "interesse por direito" nos ativos de energia argentinos, incluindo a formação de xisto Vaca Muerta, na província de Neuquén

Nova York – A empresa espanhola de petróleo Repsol entrou com uma ação no tribunal federal de Nova York na terça-feira em uma tentativa de impedir que a norte-americana Chevron se torne parceira da YPF para explorar petróleo e gás de formações de xisto na Argentina. A ação é o mais recente acontecimento na disputa judicial provocada pela nacionalização da YPF, que era uma subsidiária da Repsol, pela Argentina em abril.

No processo, a Repsol afirmou que tem “interesse por direito” nos ativos de energia argentinos, incluindo a formação de xisto Vaca Muerta, na província de Neuquén, que tem 23 bilhões de barris de óleo equivalente. A companhia argumentou que a YPF, que agora é controlada pelo governo, precisa da experiência da Chevron para ajudar na exploração de recursos não convencionais retidos no local.

“A Chevron sabe muito bem que a forma com que o governo argentino assumiu o controle da YPF foi um deliberado desrespeito às leis argentina e internacional”, diz o processo. O porta-voz da Chevron, Jim Craig, disse que a filial argentina da companhia “defende a legitimidade” de seu acordo com a YPF e que considera “não haver bases legais” para o processo.

A Repsol tinha uma participação majoritária na YPF até abril, quando o governo argentino suspendeu o conselho de diretores da YPF, expulsou seus gestores e reduziu a participação da Repsol na companhia para 12%. A Repsol afirmou anteriormente que o valor de sua antiga participação na YPF é de cerca de US$ 10 bilhões. As informações são da Dow Jones.