RaiaDrogasil é a Empresa do Ano de Melhores e Maiores

O presidente Marcílio Pousada assumiu para acelerar integração entre as redes. Deu certo, e RaiaDrogasil é a Empresa do Ano de Melhores e Maiores, de EXAME

São Paulo — Quando a Raia e a Drogasil anunciaram sua fusão, em 2011, criaram a maior rede de farmácias do país. Não foi uma integração fácil e nem rápida. Mais de cinco anos depois, a rede se destaca pelos ótimos resultados e é a Empresa do Ano no levantamento Melhores e Maiores, de EXAME.

Raia e Drogasil eram complementares tanto em público quanto geograficamente. No entanto, a integração entre as companhias demorou a acontecer. As equipes continuavam a trabalhar separadamente e a usar sistemas diferentes. Às vezes, esqueciam até de pagar contas básicas.

Com a lentidão, a empresa perdeu dinheiro. A rentabilidade caiu de 3,2% em 2011 para 2,6% em 2013. No mesmo ano as ações despencaram 35%.

A companhia também perdeu espaço, enquanto as concorrentes se movimentavam rapidamente. Em 2009, o BTG Pactual criou o grupo BR Pharma e começou a comprar diversas redes menores. Em 2011, a Drogaria São Paulo se uniu à Pacheco e, dois anos depois, a americana CVS comprou a Onofre.

A RaiaDrogasil trouxe, então, alguém de fora para arrumar a casa. Marcílio Pousada, que presidiu a rede Saraiva por 8 anos, foi chamado para acelerar a integração. O executivo reviu processos, estratégias e sistemas.

Ele reorganizou os planos de carreira, remuneração e treinamento e conseguiu diminuir a rotatividade de 60% para 30%. As novas estratégias de crescimento previam a abertura de dezenas de lojas, testes de novos formatos e aumento da satisfação dos clientes.

Também está investindo em duas outras subsidiárias, a Farmasil, rede de farmácias populares, e a 4Bio, vendedora de remédios de alta tecnologia.

As medidas de Pousada deram resultado. De 2013 a 2016, as receitas cresceram 36% em dólares e 83% em reais. Seu faturamento hoje é de 3,4 bilhões de dólares, bem à frente da segunda colocada, a Pacheco-São Paulo. As ações valorizaram 300% no período.

A expansão rápida e o fim da integração garantiram à RaiaDrogasil o título de Empresa do Ano. Sem planos para novas aquisições, a rede ainda tem bastante espaço para crescer organicamente, dizem analistas.

ranking completo das 500 maiores empresas do país será publicado na edição especial Melhores e Maiores, de EXAME, que estará nas bancas, no site EXAME e no aplicativo EXAME na próxima quinta-feira, dia 10. A publicação destacará as empresas que apresentaram maior eficiência e melhor estratégia neste momento difícil da economia brasileira.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Anônimo Paulistano

    Droga Raia nem pensar, a estratégia de vendas dessa empresa é deixar o cliente na fila, com poucos caixas à disposição o cliente é obrigado a ficar plantado em meio a um corredor de produtos que deveriam estar expostos em supermercado, não em farmácia, quando no caixa o consumidor é abordado por questionários infindáveis

  2. Moises Batista Andrade Filho

    É verdade o que disse o Anônimo. O brasileiro é um doente por hábito, gosta de comer porcaria e qualquer dorzinha vai atrás de remédio, além de ser um consumidor idiota, desprezado e maltratado pelas empresas. Basta ver o caso do Buscopan, retirado do mercado sem aviso nenhum. Como as empresas têm o consumidor nas mãos, o negócio delas é espaço no mercado e lucratividade. E está lá o brasileiro engabelado: lojas bonitas, uma ao lado da outra, 10 mil marcas diferentes para uns 20 princípios ativos. É comer churrasquinho de gato, engolir quilos de katchup estragado, que tem mais de 10 farmácias no quarteirão. Todas têm lucro e manchetes nas revistas.

  3. Juliane de Oliveira Menegoni

    A Raia/Drogasil explora os funcionários, não paga nem vale Refeição decente, é 3,00 por dia, não dá pra comprar nem uma coxinha! conheço pessoas que trabalham lá, sem contar as exploração no preço de medicamentos, eles empurram remédios nas pessoas, tem meta todo dias as lojas é um absurdo, mas no país da roubalheira não me espanto, os médicos enchem o povo de remédio induzidos pelos laboratórios bilionários, e o médico enfia no povo e o povo vai á farmácia! perfeito lucrativo.