Queda de demanda na Copa foi menor que a esperada, diz Gol

Neste período houve recuo expressivo das viagens corporativas e aumento dos passageiros de turismo, porém em volume insuficiente para compensar

São Paulo – O presidente da Gol, Paulo Sérgio Kakinoff, disse nesta quinta-feira, 17, que o recuo na demanda por voos durante a Copa do Mundo deverá fechar em torno de 5%, e não em 10% como esperado anteriormente. O executivo explicou que esta é a percepção para todo o setor aéreo doméstico, mas disse que os números da Gol não ficarão distantes disso.

Neste período houve recuo expressivo das viagens corporativas e aumento dos passageiros de turismo, porém em volume insuficiente para compensar os clientes de negócios.

O presidente da Gol destacou a taxa de ocupação (load factor) registrada pela empresa no período do mundial, de 81,2%. “Este índice é um dos maiores já obtidos pela companhia”, afirmou Kakinoff.

Apesar da queda e do comportamento extraordinário da demanda por conta do evento, o presidente da Gol disse que as metas (guidance) projetadas para o ano estão mantidas. No período pós-Copa do Mundo, ele disse que é difícil prever o comportamento do passageiro.