Presidente da Anglo American adia venda de Minas-Rio

Companhia está satisfeita em manter a posse completa do seu projeto enquanto preços do ferro se recuperam e o desenvolvimento avança

Johanesburgo – A Anglo American Plc, a mineradora que investirá US$ 16 bilhões no Brasil, está satisfeita em manter a posse completa do seu projeto Minas-Rio enquanto os preços do minério de ferro se recuperam e o desenvolvimento avança sem demoras.

“Não estamos entusiasmados em avançar muito rápido” com uma parceria, declarou, ontem, o presidente Mark Cutifani em uma entrevista depois de uma conferência sobre segurança na mineração em Johanesburgo. “Como as coisas estão indo e quanto melhor ficarem, mais inclinado eu me sinto a manter a posse inteira”.

Neste ano, a Anglo anunciou que estava procurando um parceiro para a mina de minério de ferro de US$ 8,8 bilhões depois de ter que reduzir o valor do projeto em US$ 4 bilhões por excessos de custos prévios à saída da ex-presidente Cynthia Carroll. As perspectivas para a mina estão melhorando à medida que a demanda chinesa pelo minério de ferro aumenta e o trabalho de construção cumpre as metas, disse Cutifani.

“Eu saí de uma empresa que tinha acabado de completar três grandes projetos no prazo e dentro do programado”, acrescentou Cutifani, fazendo referência ao seu trabalho como presidente na AngloGold Ashanti Ltd., a terceira maior produtora do metal precioso. “Espero que com todo o trabalho que fizemos, esteja tudo no lugar para que possamos oferecer o mesmo tipo de resultado, dado que já tivemos momentos difíceis neste ano”.

Os primeiros envios de minério da Minas-Rio estão programados para o final de 2014 após anos de demoras e aumentos orçamentários. O minério de ferro de entrega imediata no porto Tianjin na China, um preço de referência para a commodity, elevou-se 0,2 por cento ontem, totalizando US$ 133,50 por tonelada, conforme um índice de preços compilado pela The Steel Index Ltd. Desde o começo de junho a alta foi de 21 por cento.


Anglo “feliz”

“O preço do minério de ferro está um pouco melhor do que antes”, disse Cutifani. “São boas notícias. A China está indo muito bem. Estamos felizes de estarmos onde estamos hoje, mas desapontados com o que tivemos que pagar por causa do saldo excedente no projeto”.

Mesmo assim, a Anglo American venderia uma participação na mina desde que crie valor para os acionistas, acrescentou Cutifani. “Muitos disseram que estariam interessados em falar conosco, portanto continuamos abertos”.

A Anglo planeja investir mais de R$ 35 bilhões (US$ 15,9 bilhões) no Brasil no período 2007-2014, informou Cutifani no mês passado em uma conferência em Belo Horizonte.

‘Orgulhosos da conquista’

Na conferência sobre segurança em Johanesburgo, Cutifani afirmou que as mortes de mineiros pela queda de rochas na África do Sul recuaram 50 por cento entre 2012 e no ano anterior, totalizando 16 pessoas, depois da criação de uma Equipe de Presidentes pela Eliminação de Mortes. Neste ano, 13 pessoas foram mortas pela queda de rochas na África do Sul.

O grupo é formado por presidentes de 13 companhias, incluindo a Harmony Gold Mining Co., a Lonmin Plc e a Anglo American Platinum Ltd., que compartilham e procuram melhorar os métodos de segurança.

“A melhoria relativa na África do Sul foi superior à de qualquer outro lugar”, declarou Cutifani. “Estamos muito orgulhosos disso”. Companhias, sindicatos e o governo da África do Sul visam apresentar um plano para indenizar os mineiros que contraíram doenças como câncer de pulmão e silicose nos próximos 12 a 18 meses, acrescentou Cutifiani.

“Já que melhoramos tanto a segurança, temos que trabalhar em como podemos progredir tanto e mais ainda na área de saúde”, disse ele.