Prazo de construção de plataforma caiu, diz Petrobras

Graça Foster ressaltou os ganhos de produtividade da indústria petroleira durante a feira e conferência Rio Oil & Gas

Rio – A presidente da Petrobras, Graça Foster, em palestra de encerramento da feira e conferência Rio Oil & Gas, ressaltou os ganhos de produtividade da indústria petroleira desde a realização da última edição do evento, em 2012. 

Na conferência anterior, Graça demonstrou preocupação com os prazos de entrega de plataformas pelos estaleiros nacionais.

Mas, neste ano, o discurso mudou. A executiva está ressaltando não só a qualidade dos seus fornecedores, mas também dos “recursos humanos” da Petrobras.

Segundo ela, de 2012 a 2014, a curva de aprendizagem dos estaleiros nacionais, medida que representa o intervalo de tempo entre a assinatura do contrato para a construção da plataforma e a produção do primeiro óleo, passou de 60 meses para 42 meses, aproximando-se da marca de referência internacional, de 39 meses.

Graça ressaltou também a eficiência operacional de toda estatal, que subiu de 79% para 81%, de 2013 para 2014.

A presidente da Petrobras afirmou também que as parcerias com operadoras de petróleo são uma premissa para a empresa. Como exemplo de sucesso, citou o campo de Libra, no pré-sal, que divide com a Shell, Total, CNPC e CNOOC.

Segundo Graça, a expectativa é que a produção da Petrobras e de terceiros em 2030 será de 5,2 milhões de barris por dia.

Sozinha, a estatal produzirá, na mesma data, 4,2 milhões de barris por dia. Ela ressaltou, contudo, que essa estimativa é inferior à de consultorias externas.

Ao fim da palestra, Graça homenageou os seus funcionários, neste momento em que a empresa está sob investigação de corrupção. Toda sua palestra foi no sentido de demonstrar a importância dos seus recursos humanos para o aumento da produção.