Por que comprar 50% do JK Iguatemi pode ser vantajoso

Segundo relatório do Brasil Plural, o sócio Carlos Jereissati poderá faturar se comprar a metade que pertence à WTorre

São Paulo – A compra dos 50% do shopping JK Iguatemi pode ser um bom negócio para o Iguatemi Empresa de Shopping Centers, de acordo com o relatório da consultora Brasil Plural, assinado pelas analistas Caimi Reis e Louise Oliveira.

Atualmente, o controle do empreendimento é dividido em partes iguais entre a WTorre, de Walter Torre, e o Iguatemi Empresa de Shopping Centers, de Carlos Jereissati. No entanto, a empresa de Jereissati já é responsável pela gestão do local.

Por possuir a outra fatia, o Iguatemi tem direito de preferência na compra. 

De acordo com os argumentos levantados no relatório, o JK Iguatemi é um dos grandes shoppings de luxo de São Paulo, onde estão alguns dos principais polos de marcas internacionais e consagradas.

Além disso, o Brasil Plural afirma que o desempenho do empreendimento, que foi inaugurado apenas em um ano e meio, surpreendeu e vem superando as expectativas dos sócios.

O shopping também é responsável por aproximadamente 13% da receita do grupo Iguatemi Empresas.

Sem pressão

Ao mesmo tempo em que Caimi Reis e Louise Oliveira afirmam que a aquisição poderá ser muito vantajosa, as analistas temem que a companhia de Carlos Jereissati se sinta pressionada e pague um valor “premium” para impedir que outras empresas levem a fatia da WTorre.

Por meio do relatório, as analistas indicam que “a avaliação final do potencial de negócio será totalmente dependente da avaliação e termos estabelecidos para a transação”.

Boatos indicam que a sócia já teria oferecido 400 milhões de reais para a aquisição, mas o valor foi considerado baixo.

Até o momento, nenhum acordo foi fechado. Na última sexta-feira, rumores indicaram que a WTorre, de Walter Torres, estuda vender a participação de 50% no shopping JK Iguatemi.