Pfizer fará fusão de unidade de genéricos com a Mylan

A companhia combinada terá um novo nome e deve ter uma receita em 2020 de até US$ 20 bilhões, com fluxo de caixa livre estimado em mais de US$ 4 bi

Bangalore — A farmacêutica Pfizer vai desmembrar sua área de medicamentos genéricos e fundir a divisão com a Mylan, um negócio que deixará a Pfizer com medicamentos mais rentáveis, incluindo a droga para tratamento de câncer Ibrance e a vacina contra pneumonia Prevnar.

A transação, que deixa os tratamentos de grande sucesso Viagra, EpiPen e Lipitor sob um mesmo teto, faz parte de um esforço da Pfizer para se dividir em três partes – medicamentos inovadores, medicamentos genéricos de menor margem e cuidados de saúde.

A nova empresa, com sede nos Estados Unidos será liderada por Michael Goettler, presidente da unidade de genéricos da Pfizer, a Upjohn.

A Mylan, que tem valor de mercado de 9,5 bilhões de dólares, anunciou no ano passado planos para revisar seus negócios, à medida que enfrenta baixos preços de medicamentos genéricos e vendas em declínio do tratamento antialérgico de emergência EpiPen.

“Achamos que está claro que a Mylan precisava fazer algo para mudar de direção”, disse David Maris, analista da Wells Fargo, acrescentando que o acordo é um reconhecimento de que a Pfizer queria sair dos genéricos e a Mylan reconheceu a necessidade de mudanças.

O negócio de genéricos da Pfizer tem uma margem operacional muito maior do que a da Mylan, acrescentou Maris.

Os acionistas da Pfizer terão 57% da nova empresa e os acionistas da Mylan o restante. Cada ação da Mylan será convertida em uma ação da nova companhia sob o acordo.

A companhia combinada, que receberá um novo nome, deverá ter uma receita em 2020 de 19 bilhões a 20 bilhões de dólares, com fluxo de caixa livre estimado em mais de 4 bilhões de dólares.