Petrobras faz contratação milionária de 26 sondas

Empresa pagará US$ 75,938 bilhões pelos equipamentos, que serão usados para perfuração marinha

Rio de Janeiro – A companhia petrolífera Petrobras anunciou nesta sexta-feira um acordo para contratar 26 navios-sonda de perfuração marinha em águas profundas pelas quais pagará cerca de US$ 75,938 bilhões de aluguel durante 15 anos.

As unidades serão construídas no Brasil por encomenda das empresas Sete Brasil e Ocean Rig, que se encarregarão da operação das embarcações durante os 15 anos do contrato com a Petrobras, informou a companhia petrolífera em comunicado.

Segundo a nota, a direção da companhia petrolífera aprovou a contratação de 21 sondas com a empresa Sete Brasil pelas quais pagará um aluguel diário médio de US$ 530 mil cada uma.

O acordo com Ocean Rig prevê o aluguel de 5 sondas a um preço médio diário de US$ 548 mil a unidade.

Tais acordos supõem que a companhia petrolífera pagará cerca de US$ 13,9 milhões diários pelo aluguel das 26 sondas, durante os 15 anos dos contratos.

A negociação prevê a redução desses custos caso o Governo brasileiro conceda incentivos fiscais às empresas contratadas e caso tais empresas consigam créditos subsidiados do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O acordo prevê que as contratadas encomendem as embarcações em estaleiros nacionais e que cada unidade conte com um conteúdo de peças nacionais de entre 55 e 65%. Também estabelece prazos de entre 48 e 90 meses para a entrega das embarcações e o início das operações.

‘A implementação do projeto considera a construção de novos estaleiros no país, além da utilização da infraestrutura já existente’, explica o comunicado.


Segundo a Petrobras, a contratação das 26 sondas supõe a conclusão da licitação lançada há três anos para encomendar e alugar 28 embarcações para perfuração marinha construídas em estaleiros nacionais.

A empresa já tinha contratado em fevereiro do ano passado sete das embarcações, por isso que terminou alugando um total de 33.

‘Perante as condições apresentadas pelas empresas e a demanda existente para o desenvolvimento de projetos futuros, a Petrobras optou por se beneficiar das condições negociadas e contratar cinco unidades adicionais ao planejado inicialmente’, segundo a nota.

A maior parte das unidades será destinada à exploração do chamado pré-sal, o novo horizonte de prospecção petrolífera descoberto pela Petrobras em águas muito profundas do Atlântico e que pode transformar o Brasil em um dos maiores produtores e exportadores mundiais de petróleo.

As áreas até agora concedidas para a prospecção no pré-sal têm entre 50 e 80 bilhões de barris de petróleo, o que representa cinco vezes as atuais reservas do Brasil (14 bilhões de barris), segundo previsões oficiais.

As sete primeiras sondas, que não foram alugadas, mas agregadas à própria frota da Petrobras, foram encomendadas por US$ 4,637 bilhões ao estaleiro brasileiro Estaleiro Atlântico Sul (EAS), com sede no estado de Pernambuco.