Pesquisa define quatro tipos de inovação

O estudo da consultoria Booz Allen & Hamilton, que analisou as empresas de seu banco de dados para estabelecer as melhores práticas de inovação, definiu quatro tipos básicos de estratégia. Veja quais são:

As desbravadoras de mercado

Essas empresas pensam primeiro no produto, depois no mercado que ele pode ter. Exemplos desse tipo de companhia são a Apple, a Nike e a Coca-Cola. Como estratégia, elas investem em novas tecnologias e continuamente refinam os produtos existentes. A Nike, por exemplo, tem a ambição de ser sempre a primeira a lançar produtos na categoria de tênis, o que leva a fortalecimento de sua marca no segmento de moda. É comum para essas empresas apostar em mensagens de marketing amplas, ligadas mais a aspirações do que a necessidades práticas. Assim, a Nike se liga ao conceito de “vencer”.

As experimentadoras

Essas empresas criam vários produtos e os lançam rapidamente, em versões baratas, para ver quais fazem sucesso. Um exemplo é a fabricante de tênis Puma, cujo lema é “lançar e aprender”. Elas normalmente têm intenso investimento em pesquisa e desenvolvimento, e seu marketing é voltado para os formadores de opinião.

As ouvintes

São empresas especializadas em atender as necessidades de seus clientes-alvo. Exemplos são a Dell e a Procter & Gamble. A Dell concentra suas pesquisas com consumidores em perguntas sobre funcionalidade, e adota as inovações dos concorrentes que mais fazem sucesso. A Procter & Gamble gasta metade do que a L’Oreal em pesquisa e desenvolvimento de produtos, mas é agressiva em pesquisa de mercado.

As seguidoras

Copiam tudo o que as líderes façam. Sua estratégia é copiar rapidamente aquilo que dá certo. Exemplos de seguidoras são Pepsi, Avon e a automobilística Kia. A Avon, que gasta menos de 1% do faturamento em pesquisa e desenvolvimento, tem alto índice de lançamento de produtos (por volta de 130 por ano), a maioria baseada em sucessos da concorrência.