PDG apresenta 38 planos de recuperação judicial

A companhia abriu o pedido de recuperação judicial em fevereiro e, agora, ela apresentou seu projeto de como pretende pagar seus credores.

São Paulo – A construtora PDG Realty e a PDG Securitizadora apresentaram ontem, 6, 38 planos de recuperação judicial à CVM.

A companhia abriu o pedido de recuperação judicial em fevereiro deste ano. Agora, ela apresentou seu projeto de como pretende pagar seus credores. Foi apresentado um plano único para todo o grupo e mais 37 planos individuais para suas controladas.

O plano, de 102 páginas, tem 44 dedicadas apenas a numerar cada uma das empresas do grupo em recuperação judicial. O projeto corre na 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da Comarca de São Paulo.

O grupo criou, para sua operação, 512 sociedades diferentes. Elas possuem patrimônio e personalidade jurídica próprios, mas atuam sob a direção e controle comuns da PDG.

Juntas, as companhias têm dívidas concursais de R$ 3,8 bilhões e extraconcursais de R$ 1,6 bilhão, que têm garantia. Dos créditos concursais, R$ 1,1 bilhão também têm garantia. No total de R$ 5,4 bilhões bi de dívida bancária, 50% tem garantia, segundo a companhia.

 

No balanço do 1° trimestre de 2017, a dívida líquida da empresa era de R$ 5,09 bilhões. A sua “alavancagem estendida”, que soma também os custos a incorrer da companhia, é de R$ 5,8 bilhões.

Entre os seus principais credores, estão os bancos Bradesco, Itaú, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil.

Grupos de credores

No plano geral, a PDG descreveu como irá pagar suas dívidas de acordo com cada grupo de credores.

Os credores com garantias reais terão 54% dos seus créditos transformados em debêntures. Os restantes 46% usarão os ativos da empresa como garantia para a quitação do pagamento.

Os credores sem garantias reais, também chamados de quirografários, terão três opções. A primeira é receber até R$ 25 mil em dinheiro em até um ano da homologação do plano.

A segunda é converter os créditos em debêntures. A terceira opção é conversão dos créditos em ações da PDG.

Os fornecedores, principalmente empresas pequenas e microempresas, tambpem podem escolher entre conversão dos créditos em debêntures ou ações da empresa ou pagamento de até R$ 10 mil em dinheiro.

Os credores trabalhistas serão pagos integralmente, sem desconto e incidência de juros, em uma ou mais parcelas, em até um ano da homologação judicial do plano.

Dificuldades financeiras

Nos seus 18 anos de fundação, o grupo lançou mais de 146 mil unidades imobiliárias. Com a crise econômica, no entanto, o grupo viu suas vendas diminuírem. A PDG apresentou prejuízo de R$ 5,3 bilhões em 2016.

No documento, a companhia diz que, para viabilizar seu crescimento, ela realizou a captação de recursos junto ao mercado financeiro brasileiro especialmente por meio da contratação de financiamentos bancários e da emissão de títulos de dívida no mercado de capitais.

Para tanto, onerou em favor de seus credores financeiros parte expressiva dos seus ativos, “incluindo unidades imobiliárias e recebíveis, de forma que parcela relevante das fontes de receita do Grupo PDG encontra-se comprometida com o adimplemento de compromissos financeiros”.

A empresa elencou diversas ações para melhorar seu balanço financeiro.

Entre elas, estão a redução de novos lançamentos, focando inteiramente na venda de seu estoque e na conclusão das obras em andamento, redução de sua estrutura e seu contingente de colaboradores, para cortar custos gerais e administrativos e a venda de ativos não estratégicos.

 

Matéria atualizada para incluir valor da dívida bancária da PDG, no dia 8 de julho às 9h30.