Parceria verde

População de Santo André ganha dois parques ao redor dos novos Pão de Açúcar e Carrefour

Menos chaminés, mais áreas verdes. Parece utopia de ecologista, mas é real. Uma nova modalidade de operação urbana entre as empresas e o poder público começa a atender a um dos maiores anseios dos moradores da região do ABC. Em Santo André, uma cidade que na última década abandonou seu perfil fundamentalmente industrial para se tornar um centro de comércio e serviços, as redes Pão de Açúcar e Carrefour vão construir parques públicos ao lado dos novos supermercados que ambas estão instalando.

Fruto de parcerias com a prefeitura do município, a implementação dos jardins não é nenhum ovo de Colombo. Trata-se, simplesmente, de ampliar para o terreno do meio ambiente um tipo de negociação entre as prefeituras e a iniciativa privada até agora circunscrita a obras de infra-estrutura viária. Ocupando 39 mil metros quadrados na avenida dos Estados, às margens do rio Tamanduateí, os parques se tornaram viáveis graças a uma lei municipal que condiciona a aprovação de empreendimentos comerciais naquela região ao custeio de projetos públicos de paisagismo e iluminação. “O objetivo é aumentar as áreas verdes e os espaços privados de uso público”, afirma Enio Moro Junior, diretor do Departamento de Projetos Urbanos de Santo André.

Diferença de 7% no custo
Para o Pão de Açúcar, a área verde de 28 mil metros quadrados, construída em terreno municipal, elevou em 7% o investimento de 6 milhões de reais inicialmente previsto para a abertura da loja, que ocupa 16 mil metros quadrados. A empresa tem por prática adotar praças públicas próximas a seus estabelecimentos e, por isso, recebeu com naturalidade a proposta da prefeitura. Ao mesmo tempo, concluiu que o jardim valorizaria o próprio empreendimento. “O Pão de Açúcar tem de estar presente em tudo que envolve a comunidade”, afirma João Simões, diretor regional no ABC. O supermercado, construído no mesmo local onde a empresa instalou há 30 anos o Jumbo, primeiro hipermercado do país, está funcionando desde outubro. Em fase adiantada de execução, o parque deverá ser inaugurado até o fim de novembro.

Já o Carrefour prevê investimentos de 20 milhões de reais na construção do supermercado e do parque, que ocupará 25% dos 43 mil metros quadrados de terreno, formando um cinturão verde em torno da loja. Segundo a direção do Carrefour, a iniciativa de doar o parque à cidade faz parte de sua política de se adequar às necessidades das comunidades onde atua. Quando estiver funcionando, em meados do próximo ano, a loja vai gerar 450 empregos diretos.

A iniciativa das duas redes vai permitir à prefeitura de Santo André não apenas aumentar a cobertura vegetal no município, mas introduzir na zona urbana plantas de grande porte nativas da Mata Atlântica, como as palmeiras. “As praças vão cumprir funções ambientais positivas para a cidade”, afirma Henrique Zanetta, diretor do departamento de parques e áreas verdes do município.