Para presidente da Telefônica, Anatel terá mais foco econômico

Fernando Xavier Ferreira, presidente da Telefônica, operadora de telefonia fixa de São Paulo, afirmou nesta terça-feira acreditar que a mudança de comando da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mudará também o perfil do órgão regulador, que “passará ter maiores preocupações econômicas, sem deixar de lado suas fortes características técnicas e de transparência”.

Segundo Xavier, o setor de telecomunicações brasileiro, que vive situação econômica delicada, precisa de cuidados para se manter estável. “Preços competitivos, qualidade e pluralidade de serviços nós já conseguimos. Agora o setor de ser estruturado para tornar a continuidade disso possível”, diz ele.

O novo presidente da Anatel –que foi comandada desde sua criação por Renato Guerreiro– será o engenheiro e economista Luiz Guilherme Schymura de Oliveira. O nome foi anunciado ontem (08/04) pelo ministro das Comunicações, Juarez Quadros.

Schymura, 41 anos, carioca, é engenheiro eletricista, formado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, com mestrado e doutorado em economia pela Fundação Getúlio Vargas e pós-doutorado, também em economia, pela Wharton School of the University of Pennsylvania, nos Estados Unidos. Foi consultor da Kolynos do Brasil e do Banco Mundial, coordenador do Programa Nacional de Acompanhamento do Mercado de Combustíveis da Agência Nacional do Petróleo (ANP) e do trabalho de modelagem para a privatização de Furnas Centrais Elétricas.

Elaborou, também, pareceres econômicos sobre a compra da Kolynos pela Colgate e sobre a joint venture da Rhodia e da Hoechst do Brasil Química, ambos escritos em parceria com Mário Henrique Simonsen. O nome de Schymura para a presidência da Anatel já foi aprovado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, que enviará uma mensagem ao Senado indicando o economista para ser sabatinado.