Panquecas, bacon e startups bilionárias

Letícia Toledo

Palo Alto, Califórnia – O número 3.062 da arborizada rua Woodside, no Vale do Silício, é o local onde o serviço de e-mails Hotmail, a empresa de pagamentos Paypal e a montadora Tesla fecharam seus primeiros investimentos – isso em meio a panquecas, omeletes e bacon. O endereço é do icônico restaurante Buck’s of Woodside que há 25 anos é o ponto de encontro para um café da manhã de aspirantes a empreendedores e seus potenciais investidores, grandes nomes do Vale do Silício e, de quebra, alguns curiosos.

À primeira vista parece difícil de acreditar que o Buck’s of Woodside receba este tipo de público. O cardápio, com pratos que custam entre 5 e 16 dólares, em nada lembra os caros vinhos do restaurante The Village Pub – que fica a meio quilômetro de distância. As salas privativas e monocromáticas do pub, por sinal, são o destino de muitos jantares de negócios no Vale. Já no Buck’s of Woodside, tudo o que os investidores encontram é um amplo salão que não pode ser descrito com uma cor em particular.

Ao entrar no Buck’s o cliente é recepcionado por uma réplica da estátua da liberdade que ostenta um gigante sundae de chocolate no lugar da tocha. Pelas paredes, quinquilharias tecnológicas que não avançaram – como um teclado de computador retrátil – dividem espaço com uma caixa da primeira edição do sistema operacional de computador Windows e ainda uma emoldurada versão da revista Playboy impressa em braille. Sim, braile – o sistema de escrita e leitura para deficientes visuais.

No teto, um tubarão feito de ferro divide espaço com três miniaturas de aviões e um traje espacial. “Esse traje eu tive que ir até a Rússia comprar, porque a NASA não quis me vender um”, conta o dono do restaurante Jamis MacNiven que já perdeu a conta de quantos objetos decoram o lugar.

MacNiven é uma figura tão ou mais conhecida no Vale do que seu restaurante. Sempre presente em eventos do Vale, ele ostenta fotos com personalidades como o investidor Warren Buffett, o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton e o ex-pugilista Mike Tyson. Isso sem contar, é claro, com figuras importantes do Vale como o criador do Facebook Mark Zuckerberg e o presidente da Tesla Elon Musk. Em seu restaurante, MacNiven, sempre vestido com uma de suas coloridas e chamativas camisas, passa de mesa em mesa cumprimentando os clientes e soltando uma piada – quase como uma atração à parte do local. As brincadeiras só cessam quando a conversa é sobre o próprio Vale. MacNiven é capaz de passar horas falando sobre o passado, presente ou futuro das empresas da região como um verdadeiro especialista – o que, na verdade, ele não deixa de ser.

Brigado com Steve Jobs

O porquê do Buck’s ter se tornado tão popular no Vale nem MacNiven sabe responder. Para ele, o principal motivo está na proximidade com a Sand Hill Road – endereço de grandes fundos de venture capital como o Sequoia, fundado em 1972 e que investiu em companhias que hoje valem mais de 1,4 trilhão de dólares. “No início do restaurante eu não tinha a menor ideia do que estava fazendo. De repente o John Doerr do fundo Kleiner começou a fazer reuniões aqui, outros investidores foram aparecendo e quando eu vi estávamos sendo citados na Economist”, conta MacNiven, que abriu as portas do local em 1991.

Ser dono de um restaurante – e ainda por cima famoso – no Vale do Silício nunca foi um projeto de vida para ele. A ideia de montar um empreendimento veio enquanto ele trabalhava como decorador de ambientes e reformava alguns estabelecimentos da região.  “Eu simplesmente pensei: acho que tenho capacidade para montar um restaurante. Quando começamos aqui, todas as paredes eram brancas. Aos poucos, eu dei vida ao local”, relata.

Com tanta gente poderosa circulando pelo endereço foi questão de tempo até que grandes acordos saíssem entre um omelete e outro. Foi ali que Sabeer Bhatia, co-fundador do serviço de e-mail Hotmail, apresentou sua ideia de criar uma plataforma de e-mails grátis para um sócio da companhia de investimentos Draper Fisher Jurvetson e conseguiu seu primeiro investidor pouco antes de lançar o produto, em 1996. Um ano depois a companhia seria vendida para a Microsoft por 400 milhões de dólares. Por ali também passaram, no início dos anos 2000, os engenheiros Martin Eberhard e Marc Tarpenning com seu brilhante carro amarelo estacionado em frente ao restaurante. O veículo era um protótipo da montadora de carros elétricos que queriam criar, era o início da Tesla.

MacNiven afirma que todos os figurões importantes do Vale em algum momento já passaram pelo local, com uma única exceção: Steve Jobs. MacNiven relata que conheceu o fundador da Apple antes de abrir o Buck’s. Era o fim dos anos 1970 e MacNiven foi contratado para reformar o apartamento de Jobs. Na época, Jobs tinha apenas 24 anos, mas sua companhia já estava prestes a fazer sua oferta pública de ações. “Eu perguntei o que ele fazia e então nós sentamos no chão e ele me mostrou o que era um computador, achei aquilo incrível!”, afirma MacNiven.

A tarefa de reformar o apartamento se mostrou impossível porque Jobs não conseguia tomar decisões simples como escolher entre duas cores de tintas. “As cores eram praticamente iguais, mas ele passava horas tentando escolher”, comenta, “ele era meu segundo cliente e eu não estava preparado para aquilo”. A reforma acabou não saindo e os dois nunca mais se falaram.

“Elon Musk tem tempo?”

O Buck’s é sem dúvida um dos restaurantes precursores no Vale, mas hoje é fácil encontrar potenciais empreendedores apresentando suas ideias em outros estabelecimentos da região. No início das tardes durante a semana é quase impossível conseguir uma mesa no Coupa Café, no centro de Palo Alto – local que ficou conhecido por ser frequentado justamente por Steve Jobs e sua mulher.

Mas a vida desses locais tem se mostrado desafiadora. Os aluguéis no Vale do Silício aumentam a cada dia – especialmente em Palo Alto. Só nesta região, mais de 6.500 metros quadrados de pontos comerciais onde antes havia lojas e restaurantes foram convertidos em espaços de escritório entre 2008 e 2015, à medida em que o números de startups na região só aumenta.

MacNiven permanece tranquilo em seu restaurante. O empreendedor não abre dados de faturamento, mas afirma que atende cerca de 700 pessoas todos os dias e que o movimento vai muito bem. O dinheiro serviu para abrir mais três restaurantes em parceria com seus três filhos no centro de São Francisco. “Nos outros eu sou apenas investidor, meu lugar mesmo é aqui”, afirma MacNiven.

Quando questionado qual ícone do Vale do Silício, e consequentemente cliente do Buck’s é seu favorito, MacNiven tem a resposta pronta: “Elon Musk, esse cara vai mudar o mundo!”. A última vez que Musk, presidente da montadora Tesla e da companhia de transporte espacial SpaceX, esteve no Buck’s foi há cerca de seis meses para um café da manhã, garante MacNiven. Na ocasião, ele sentou e pediu um dos pratos de omeletes da casa. “Eu disse para ele: eu não sei como você arranja tempo, você está construindo uma empresa de foguetes, tocando outras ao mesmo tempo… Pouco depois o telefone dele tocou. Ele saiu pela porta e não voltou mais. Ali estava minha resposta: ele na verdade não tem tempo”. “E o omelete?”, pergunto. “Eu comi”, responde.