P-56 elevará produção da Petrobras em 60 mil barris/dia

A capacidade total de produção, de 100 mil barris de óleo por dia, mais 6 milhões de metros cúbicos de gás natural, deverá ser atingida no final do primeiro trimestre de 2012

São Paulo – A plataforma P-56, que a Petrobras lança amanhã em cerimônia com a presença da presidente Dilma Rousseff, deverá acrescentar algo em torno de 60 mil barris de óleo equivalente na média da produção diária da empresa ao final de 2011. A unidade, que será instalada no campo de Marlim Sul, na Bacia de Campos, terá seu primeiro óleo extraído a partir de agosto.

Segundo o gerente do ativo de Marlim Sul, Carlos Bartholomeu Barbosa, cada poço a ser integrado a plataforma produzirá em torno de 10 mil barris por dia. A capacidade total de produção, de 100 mil barris de óleo por dia, mais 6 milhões de metros cúbicos de gás natural, deverá ser atingida no final do primeiro trimestre de 2012.

A unidade é uma plataforma semissubmersível e ficará ancorada a uma profundidade de 1,67 mil metros, interligada a 21 poços, dos quais dez serão produtores e 11 injetores de água. A plataforma é idêntica à P-51 e, como ela, teve seu casco construído no Brasil, no estaleiro Brasfel, de Angra dos Reis, onde será inaugurada amanhã. A plataforma, segundo a Petrobras, pode ser considerada um marco da indústria naval do País por ter atingido o maior porcentual de conteúdo nacional: 72%.

A área em que a P-56 vai operar só estava prevista para entrar em produção a partir de 2012, mas foi antecipada. Isso aconteceu porque a Petrobras cancelou os processos licitatórios da P-55 e P-57 por preços excessivos três anos atrás e decidiu passar a P-56 na frente, já que esta seria uma cópia fiel de unidade já existente. A fabricação de uma cópia exatamente idêntica barateou sua produção e possibilitou a entrega num prazo menor.

Segundo o Bartholomeu, com a entrada da P-56, o campo Marlim Sul vai somar um total de produção de 300 mil barris de óleo equivalente por dia até o final do ano. Ele disse que ainda não há planos para eventuais perfurações na área abaixo da camada do pré-sal. “Não temos notícias de priorização de perfuração do pré-sal nesta área”, informou em entrevista à imprensa na sede da empresa, nesta tarde.