Osram, da Siemens, vai cortar empregos e vender fábricas

Fabricante alemã de lâmpadas vai cortar mais 4,700 empregos, ou 12 por cento de sua força de trabalho

Frankfurt – A fabricante alemã de lâmpadas Osram vai cortar mais 4,700 empregos, ou 12 por cento de sua força de trabalho, e vender fábricas para competir melhor com asiáticos depois de sua separação do grupo Siemens.

A companhia, cuja marca existe há 106 anos, informou nesta sexta-feira que pretende economizar 1 bilhão de euros (1,3 bilhão de dólares) em três anos, com metade das reduções sendo geradas na área de compras.

A Osram, que está se separando da Siemens, tem sido lenta em se adaptar à mudança na indústria de lâmpadas tradicionais para modelos de diodos emissores de luz (LED) enquanto rivais asiáticos estão ampliando capacidade e pressionando os preços graças à tecnologia.

Enquanto isso, a Siemens está reestruturando seus negócios como parte de um plano de economia de 6 bilhões de euros, que inclui desinvestimentos em ativos menos lucrativos e foco em áreas centrais para a especialidade do grupo.

Como parte deste plano, a Siemens está comprando os negócios ferroviários da Invensys por 1,7 bilhão de libras (2,8 bilhões de dólares) para ter mais acesso a clientes na Inglaterra, Espanha, Estados Unidos e Austrália.

A Siemens pretende distribuir 80,5 por cento da Osram para seus acionistas em uma oferta de ações, enquanto mantém participação de 17 por cento na operação.