O game Fortnite, gratuito, faturou 1 bilhão de dólares em dez meses

Fenômeno entre jovens de 10 a 16 anos, o jogo é o maior expoente de uma indústria que cresce 10% ao ano e que já fatura 115 bilhões de dólares

Do zero ao bilhão de dólares em menos de 12 meses. Este é o incrível desempenho do game “Fortnite: Battle Royale”, um jogo gratuito lançado mundialmente em setembro do ano passado. A estimativa de faturamento foi publicada pela empresa de pesquisas em games SuperData.

Todo o faturamento vem de compras feitas dentro do jogo — por até 20 dólares é possível comprar lotes que são trocados por fantasias, acessórios e até passos de dança.

Em Fortnite, 100 jogadores são lançados de paraquedas em uma ilha, onde lutam pela sobrevivência até a morte. O modelo não é novo. A inspiração veio do livro Battle Royale, do japonês Koushun Takami, publicado em 99 e depois adaptado para os cinemas. É um enredo familiar para os jovens, visto também em filmes como Jogos Vorazes e em outros jogos conhecidos também como Battle Royale, como PUBG.

O jogo começou a ser desenvolvido em 2011 pela Epic Games, e inicialmente era um jogo de zumbis que cobrava 60 dólares de seus jogadores. Decolou em setembro do ano passado, quando ganhou a versão gratuita. Permite criar equipes com até quatro jogadores (todos controlados por pessoas reais). Não tem a estética carrancuda de outros games e aposta em cores e num traço mais parecido ao das animações da Disney e da Pixar. Com essa combinação, atrai sobretudo jovens de 10 a 16 anos, mas também uma legião de adultos. Segundo estatísticas do site de streaming de jogos Twitch.tv, uma subsidiária da varejista digital Amazon, o jogo atingiu um máximo de 1,5 milhão de espectadores em junho.

Segundo a SuperData, Fortnite alcançou todo esse sucesso porque é grátis e disponível em todas as plataformas. Também ganhou impulso de famosos, como o cantor Drake, que participou de um vídeo de divulgação do jogo visto por 635.000 pessoas.

O jogo é o expoente de um nicho de mercado em ebulição. Os jogos inspirados em Battle Royale devem faturar 12% de todo o negócio de videogames do planeta este ano, segundo a SuperData. Novidades como Call of Duty: Black Ops 4 e Battlefield V, jogos de tiro mais tradicionais, já migram para o modelo e devem fazer o segmento crescer 625% este ano, para 12,6 bilhões de dólares de faturamento.

Uma das vantagens deste segmento é um receita cada vez maior nos celulares, que já responderão por 29% do faturamento. “Até pouco tempo, jogadores mobile eram comuns apenas na Ásia”, afirma relatório da SuperData. “Mas jovens jogadores ocidentais se sentem confortáveis com comandos complexos em touchscreen”.

Os games com tudo

O bom momento de Fortnite impulsiona também os games para um patamar inédito: é a indústria de entretenimento que mais fatura no planeta. Segundo a agência Reuters, os jogos faturaram 116 bilhões de dólares em 2017, ante 105 bilhões de dólares da TV e dos serviços de streaming. O cinema faturou 41 bilhões de dólares e a música, 17 bilhões de dólares. A distância tende a crescer, já que os jogos seguem crescendo, a uma taxa de 10% ao ano, enquanto a TV encolheu 8% em 2017.

Um dos grandes impulsos para os games vem do mercado chinês, que se abriu para o mundo recentemente e cujas vendas crescem 14% ao ano. É chinesa também uma das maiores empresas de games do planeta, a Tencent, dona do aplicativo de mensagens WeChat e de produtoras de jogos como a Riot e SuperCell.

O mercado alia novatas como a Tencent a produtoras mais tradicionais, que se renovaram para explorar o novo momento. A americana Epic existe desde 91, mas ganhou impulso global com Fortnite. A centenária japonesa Nintendo teve sucesso recente com Pokémon Go, enquanto a também americana Blizzard, de 94, terá nova onda de sucesso em agosto, com o lançamento do novo Call fo Duty.

Em comum os games atuais de sucesso reúnem mundo real e virtual. Os mais tradicionais e bem sucedidos, com os jogos de futebol Fifa, chegam a ter equipes formadas para a disputa de campeonatos. Na última sexta-feira, 20.000 pessoas lotaram a arena do time de basquete Brooklyn Nets, em Nova York, para a final da Liga Overwatch, um título de sucesso da Blizzard, que mistura tiro com personagens de habilidades especiais.

Fortnite não tem torneios de sucesso na vida real, embora os primeiros eventos estejam sendo testados pela Epic. Mas tem 125 milhões de jogadores pelo mundo. É o equivalente ao número de assinantes de serviço de streaming Netflix.