Número de linhas fixas deve parar de crescer, diz IDC Brasil

Segundo estudo da Internacional Data Corporation (IDC) do Brasil, o ano de 2001 foi o que mais apresentou crescimento no número de telefones fixos instalados no país desde a privatização de 1998. Entre fevereiro de 2001 e fevereiro de 2001, houve aumento de 24% de toda a planta instalada ou cerca de 9 milhões de novas linhas.

Em fevereiro deste ano, havia 38 milhões de linhas instaladas, 40% do total de linhas de toda América Latina. Destas, 73% são residenciais, 23% corporativas e 4% de telefones públicos.

Os analistas do IDC Brasil acreditam que o mercado brasileiro de telefonia fixa pode ser considerado maduro — a participação da receita gerada por esse tipo de serviço no total faturado pelo mercado é superior a 24%. Daqui para frente, a tendência é que esta participação diminua, já que a demanda reprimida por esse tipo de serviço foi praticamente atendida e as empresas de telefonia estão criando novos serviços — como internet em alta velocidade e serviços corporativos.

Como a fase de grandes investimentos para atender a demanda reprimida e às metas impostas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) foi encerrada, os investimentos feitos pelas operadoras no mercado serão reduzidos consideravelmente. Ainda de acordo com o estudo da IDC Brasil, as operadoras de telefonia fixa fariam, juntas, 30,5 bilhões de dólares de investimentos entre 2000 e 2006. A maior parte desse volume foi gasta em função do cumprimento das metas e o que resta agora são pequenos aportes em manutenção de infra-estrutura e implantação de novos serviços, que exigem investimentos pequenos.