Novas soluções ampliam segurança e impulsionam setor condominial

Entenda como algumas tecnologias podem reduzir os custos e aumentar controle da segurança em condomínios

O mercado de equipamentos eletrônicos de segurança teve bons resultados nos últimos anos, apesar das difíceis condições da economia brasileira. Segundo pesquisa da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), em 2017, o faturamento do setor de automação industrial, do qual fazem parte as soluções digitais de vigilância, foi de 4,33 bilhões de reais. O valor representa um crescimento de 34% com relação ao faturamento de 2010, de 3,23 bilhões de reais.

As expectativas para 2018 também são boas. Segundo a Associação das Indústrias de Segurança (SIA Brasil), a previsão de crescimento do setor para o próximo ano é de 10%. “A procura por equipamentos eletrônicos de segurança tem crescido porque, mais do que aumentar a vigilância, eles ajudam a prevenir incêndios, automatizam processos do condomínio e aumentam a eficiência energética, o que reduz os custos de operação”, afirma Paulo Daniel, diretor da unidade de negócios de controle de acesso da Intelbras.

Veja o caso do edifício residencial Edifício Raony, em São Bernardo do Campo (SP). Administrado pelo síndico Sergio Lalli Junior, o prédio de 15 andares e 30 apartamentos usa soluções para garantir a segurança e reduzir custos desde dezembro de 2016. “Nos últimos anos, o valor do condomínio havia subido muito e se tornado uma reclamação constante dos moradores. A maior despesa era com a folha de pagamento, principalmente com a portaria 24 horas, que exigia a contratação de três funcionários, um para cada turno de oito horas. Agora, temos apenas o porteiro em horário comercial. No restante do dia, o controle é feito com a tecnologia da Intelbras”, explica Lalli Junior.

Quando o edifício decidiu alterar o sistema de segurança para uma portaria eletrônica, foi preciso procurar por uma tecnologia que pudesse ser monitorada pelos próprios condôminos. “Não queríamos uma portaria virtual comandada a distância, por terceiros que são desconhecidos pelos moradores. A ideia era ter uma tecnologia em que cada morador pudesse controlar a entrada de acordo com a sua necessidade”, diz Lalli Junior.

O equipamento contratado pelo Edifício Raony para suprir essa demanda foi o sistema SVIP, da Intelbras. Trata-se de um videoporteiro coletivo, capaz de mostrar imagens de até 30 câmeras diferentes espalhadas pelo condomínio. O sistema também é conectado à portaria do prédio, o que permite a liberação da entrada de visitantes pelos moradores. As imagens produzidas são em alta definição, o que garante uma visão nítida da portaria.

Sobre a adaptação dos moradores ao novo sistema de segurança, Salli Junior afirma que não houve grande dificuldade. Em vez de o equipamento usado no sistema parecer com um interfone, ele é similar a um tablet, com tela de 7 polegadas sensível ao toque, resolução HD, microfone e saída de som. “O morador consegue ver o visitante, conversar com ele e, quando percebe que está tudo certo, liberar a entrada”, explica.

A mudança permitiu uma redução de 30% no valor do condomínio do prédio. “Essa porcentagem é específica para o nosso prédio, que tem piscina, quadra, salão de festa, dois elevadores e dois andares no subsolo. A economia pode ser maior ou menor em outros prédios”, explica o síndico. Segundo ele, a previsão é que o retorno do investimento nos equipamentos aconteça em um ano.

Além das câmeras e do porteiro eletrônico, também foram instaladas outras soluções da Intelbras no Edifício Raony, como linhas de incêndio e alarmes. Segundo Lalli Junior, a contratação das tecnologias exigiu que o condomínio se dedicasse a estudar o funcionamento do seu sistema de segurança pela primeira vez, o que permitiu a identificação de problemas que antes não eram notados. “Agora, nós temos todo um sistema livre de falhas, o que garante o bom funcionamento do condomínio, mesmo com a ausência do porteiro durante parte do dia.

Mais soluções

A Intelbras é uma das principais empresas de equipamentos eletrônicos de segurança do país. 100% brasileira, a companhia oferece — além de câmeras, gravadores de imagem, controladores de acesso e sistema de portaria eletrônica — várias soluções que atendem às necessidades de qualquer condomínio, seja ele residencial ou comercial, pequeno ou grande, vertical ou horizontal.

Além disso, a Intelbras oferece soluções integradas para condomínios com os produtos da linha de Incêndio Convencional e Endereçável na prevenção de incêndios e fumaça, iluminação de emergência em casos de falta de energia, alarmes e sensores, soluções de rádio wireless, fechaduras digitais e rádios comunicadores para auxiliar a comunicação da equipe que atua no condomínio.