Nos EUA, Associação de empresas de internet apoia privacidade de dados

Grupo que representa mais de 40 grandes empresas apoia regulação para proteger a privacidade de todos os americanos

Washington – Um grupo que representa as principais empresas de internet, incluindo Facebook, Amazon.com and Alphabet , disse na terça-feira que apoia a modernização das regras de privacidade de dados dos EUA, mas quer uma abordagem nacional que impeça a nova regulação da Califórnia que entra em vigor em 2020.

A Internet Association, um grupo que representa mais de 40 grandes empresas de internet e tecnologia, incluindo Netflix , Microsoft e Twitter, disse que as empresas de internet apoiam uma abordagem nacional da regulação que proteja a privacidade de todos os americanos.

O grupo disse que apoia princípios que garantam que os consumidores devem ter “controles significativos sobre como as informações pessoais que eles fornecem” são usadas ​​e devem saber com quem estão sendo compartilhadas.

Os consumidores também devem poder solicitar a exclusão de dados ou solicitar correções ou levar informações pessoais a outra empresa que forneça serviços semelhantes e tenha acesso razoável às informações pessoais que eles fornecem, disse.

O grupo também disse aos políticos que eles devem dar às empresas flexibilidade para notificar os indivíduos, estabelecer um “padrão de desempenho” nas proteções de privacidade e segurança de dados que evitem uma abordagem prescritiva e estabeleçam regras nacionais de notificação de violação de dados.

Michael Beckerman, presidente e diretor-executivo da associação, disse em uma entrevista que as propostas são “muito avançadas e muito agressivas” e pressionam para garantir que as novas regras se apliquem a “toda a economia”.

Ele disse que o grupo “seria muito ativo trabalhando tanto com a administração quanto com o Congresso para colocar a caneta no papel”.

A Casa Branca informou em julho que está trabalhando para desenvolver políticas de privacidade de dados de consumidores e que as autoridades vêm se reunindo com grandes empresas, uma vez que buscam eventualmente ver as políticas consagradas na legislação.

O governador da Califórnia, Jerry Brown, assinou a legislação de privacidade de dados em junho, visando dar aos consumidores mais controle sobre como as empresas coletam e gerenciam suas informações pessoais, embora não sejam tão rígidas quanto às novas regras da Europa.

Beckerman disse que “definitivamente queremos colocar isso em prática antes da Califórnia porque a Califórnia entendeu errado”.

A Câmara de Comércio dos EUA também revelou na semana passada os princípios de privacidade que visam reverter as novas regras da Califórnia.

Segundo a lei, as grandes empresas seriam obrigadas, a partir de 2020, a permitir que os consumidores visualizassem os dados que coletaram, solicitassem a exclusão de dados e optassem por não ter os dados vendidos a terceiros.