New York Times oferece plano de demissão voluntária a jornalistas

O jornal norte-americano anunciou também que vai eliminar a vaga de editor interno de fiscalização, posição conhecida como "ombudsman"

O The New York Times disse nesta quarta-feira que ofereceu um plano de demissão voluntária para funcionários da redação, a fim de simplificar os sistemas de produção e reduzir o número de editores.

O jornal norte-americano anunciou também que vai eliminar a vaga de editor interno de fiscalização, posição conhecida como ‘ombudsman’, à medida que desloca seu foco para os comentários dos leitores.

A próxima rodada de planos de demissão voluntário será oferecida principalmente aos editores, em um momento no qual o jornal busca maior equilíbrio de repórteres em relação a editores, de acordo com um memorando enviado a reguladores pelo editor executivo, Dean Baquet, e o editor chefe, Joe Kahn.

“Se não recebermos adesões suficientes para financiar nossos planos ambiciosos de reduzir a equipe de edição e contratar mais repórteres, infelizmente teremos que recorrer a demissões”, disse o memorando.

Liz Spayd, atual ombudsman, deixará o jornal na sexta-feira, de acordo com o memorando do editor Arthur Sulzberger Jr.

“Hoje, nossos seguidores nas mídias sociais e nos nossos leitores através da internet se uniram para servir coletivamente como um fiscal moderno, mais vigilante e vigoroso do que uma pessoa poderia ser”, escreveu Sulzberger.