MST invade sede da Vale em Belém e bloqueia ferrovia de Carajás

Os sem-terra retêm funcionários da mineradora dentro do prédio

A Vale informou que integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) invadiram na tarde desta quinta-feira a sede da mineradora em Belém, no Pará. Os funcionários e outras pessoas que estavam no prédio foram impedidas de deixar o local pelos sem-terra.

Mais cedo, o MST já havia invadido a estrada de ferro de Carajás, interrompendo o transporte da produção da maior mina de ferro da Vale. Segundo a companhia, a perda diária em exportações é de 22 milhões de dólares. A invasão foi feita por cerca de 500 sem-terra no município de Paraupebas (PA). Um dos maquinistas que trabalhava para a Vale no transporte de minério por trem foi feito refém.

A Vale afirma que já aprovou um plano de investimentos de cerca de 20 bilhões de dólares para a região nos próximos cinco anos, mas diz que as invasões criam um “péssimo ambiente para a atração de investimentos”.

A companhia também criticou os governantes do Pará. Para a Vale, há omissão das autoridades do estado, já que suas instalações sofreram nove invasões nos últimos 13 meses. “É inadmissível que os governantes não tenham tomado a tempo as providências necessárias para evitar que, mais uma vez, o MST e seus cúmplices afrontassem o estado de direito e não cumprissem as determinações judiciais de não promover invasões”.