Monsanto multiplica no país em 11/12 soja inédita

Soja transgênica foi aprovada no ano passado pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança, o órgão brasileiro encarregado de dar o aval para transgênicos

Goiânia – A Monsanto está em fase de multiplicação de uma semente de soja transgênica inédita no mundo, resistente a ervas daninhas e a insetos, desenvolvida especialmente para o Brasil, e poderá lançá-la comercialmente nas próximas safras, disse nesta sexta-feira o diretor de Regulamentação da companhia de biotecnologia, sem estipular uma data.

“A soja Intacta RR2 Pro foi desenvolvida pela Monsanto pensando na produção no Brasil, onde as plantas daninhas e as pragas são os principais entraves para a produção agrícola… Ela está em fase de desenvolvimento, estamos fazendo melhoramento genético de novas cultivares para ter o registro… e em paralelo começa a produção de sementes para disponibilizar para o agricultor,” afirmou nesta sexta-feira Geraldo Berger, em entrevista à Reuters após palestra na Bienal dos Negócios da Agricultura Brasil Central, em Goiânia.

A Intacta foi aprovada no ano passado pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), o órgão brasileiro encarregado de dar o aval para transgênicos.

Segundo ele, a Monsanto já está multiplicando as sementes para conseguir ter um volume que considera suficiente para as principais regiões produtoras. Só depois disso é que a multinacional prevê lançar o produto no país.

“Não vai para o mercado enquanto não tiver volume suficiente, não adianta lançar nova tecnologia se não tiver volume suficiente… Se tiver volume suficiente, será lançado em 2012/13,” disse Berger ao ser questionado.

Mas ele não disse qual o volume a empresa considera suficiente.

“Vamos fazer um trabalho bastante grande na próxima safra com agricultores, para que eles conheçam a tecnologia, estamos sendo muito transparentes com os agricultores,” acrescentou.

Quando chegar ao mercado, a soja será mais uma alternativa para produtores reduzirem os gastos com aplicações de defensivos na lavoura. O diretor evitou comentar sobre eventuais ganhos de produtividade com a nova soja, dizendo apenas que os testes são “promissores.”


“Você tem o controle de plantas daninhas e resistência a insetos, quando você protege a planta desses fatores biótipos, você possibilita a maximização do potencial produtivo, a expectativa é de que haja sim um aumento da produtividade em função dessas características,” disse.

Segundo informação do diretor da Céleres, Anderson Galvão, também presente na bienal, a Monsanto tem prometido um ganho de produtividade de 8 por cento com a nova soja, que deverá ser plantada para multiplicação em cerca de 60 mil hectares em 11/12, segundo estimativa da consultoria -o diretor da Monsanto não fez mais comentários sobre o assunto.

Mas Berger disse ainda que, da mesma forma que a empresa trabalhou com a soja Roundup Ready, resistente ao herbicida glifosato, a Monsanto já estabeleceu parcerias com outras empresas de melhoramento genético e produtores de sementes para desenvolver o novo produto, que oferece além do RR a tecnologia Bt (de proteção contra insetos).

Segundo a Céleres, na safra 11/12 a soja transgênica RR, plantada em larga escala no Brasil há vários anos, estará presente em 82,7 por cento das lavouras do Brasil, em uma área de 20,8 milhões de hectares, contra 18,4 por cento na temporada 2010/11.

A consultoria vê possibilidade de lançamento comercial da Intacta na temporada 2012/13.

Sobre a aprovação pelos países importadores da soja do Brasil, o segundo produtor e exportador da oleaginosa, com safra recorde de 75 milhões de toneladas em 2010/11, Berger disse que ela ocorrerá da mesma forma como toda a biotecnologia lançada pela Monsanto, apesar de o produto ser inédito.

“Temos histórico grande de avaliação dessa tecnologia por diferentes países, então o que estamos vendo para a Intacta não está sendo diferente,” disse ao ser questionado se a empresa previa problemas para aprovação no exterior.