Mitsubishi admite usar testes inadequados desde 1991

A montadora também revelou que apresentou dados para certos carros com base em cálculos de computador, em vez de realmente realizar testes nos veículos

Tóquio – A japonesa Mitsubishi Motors admitiu que usa métodos de teste não aprovados para coletar dados sobre consumo de combustível de alguns veículos no Japão há 25 anos, onze anos a mais que o informado anteriormente.

A montadora também revelou que apresentou dados para certos carros vendidos no Japão com base em cálculos de computador, em vez de realmente realizar testes nos veículos, como exigido pela lei japonesa.

A informação de que testes inadequados foram realizados pela companhia durante meio quarto de século amplificou um escândalo que começou na semana passada, quando a Mitsubishi afirmou que funcionários intencionalmente manipularam dados para que a eficiência no consumo de combustível parecesse melhor do que era em alguns modelos vendidos no Japão.

Um total de 625 mil carros foram envolvidos na manipulação.

“Esse é um problema que ameaça a existência da nossa companhia”, declarou o presidente, Tetsuro Aikawa, em entrevista à imprensa nesta terça-feira.

Separadamente, o Ministério dos Transportes do Japão afirmou que criou uma força-tarefa para estudar como evitar que montadoras apresentem dados inadequados.

“O que a Mitsubishi nos informou é muito decepcionante e danifica a confiança em várias regulamentações automotivas”, disse Takao Onoda, autoridade do ministério responsável por supervisionar aprovações e recalls de veículos.

O problema até agora está restrito ao Japão, embora a Mitsubishi afirme que continua investigando se algum carro foi afetado no exterior. Segundo Ryugo Nakao, vice-presidente-executivo da empresa, nos EUA e na Europa a montadora usou métodos de testes adequados, assim como provavelmente na maior parte da Ásia.

Fonte: Dow Jones Newswires.