Mineradora Codelco diz que recuperação não se sustentará

Maior produtora de cobre do mundo afirmou que abundância da commodity vai persistir ao longo deste ano e do próximo

A Codelco, maior produtora de cobre do mundo, disse que a abundância global vai persistir neste ano e no próximo, e rejeitou as insinuações de que o ganho recente dos preços teria chances de perdurar.

O metal provavelmente vai flutuar em torno de US$ 2 a US$ 2,10 por libra durante dois anos, com extrema volatilidade, disse o Óscar Landerretche, presidente do conselho, em uma entrevista na Flórida. 

Depois do excedente deste ano e de 2017, o mercado poderia oscilar para um déficit de 50.000 a 100.000 toneladas em 2018, e a escassez poderia subir para 300.000 a 400.000 toneladas em 2019, disse ele.

O cobre se recuperou de uma baixa de seis anos em janeiro após ter afundado 25 por cento no ano passado porque a desaceleração do crescimento na China prejudicou a demanda do maior usuário e provocou uma abundância mundial. 

A queda forçou as mineradoras, incluindo a Codelco, com sede em Santiago, a controlar os custos, e outras, como a Glencore, fecharam minas para reduzir a oferta. O CEO da Glencore, Ivan Glasenberg, disse na terça-feira que agora vê os preços das commodities chegando ao fundo do poço.

No mercado, quem acredita que o cobre vai ficar acima de US$ 3 por libra “deve ter alguma informação secreta que nós desconhecemos”, disse Landerretche, na terça-feira, em uma conferência sobre mineração. “Isso não parece muito plausível”.

O cobre para entrega em três meses subiu 0,5 por cento, para US$ 4,716 a tonelada, na London Metal Exchange na terça-feira, o equivalente a US$ 2,14 por libra, e ampliou o avanço da quarta-feira para US$ 4,786. 

Os preços estão 11 por cento mais altos que a baixa de US$ 4,318 registrada no dia 15 de janeiro, depois de terem subido 2,9 por cento em fevereiro e registrado o maior ganho mensal desde abril.

A precificação de operações recentes de minas implicou que alguns produtores esperam que o cobre fique significativamente mais alto no longo prazo, disse Landerretche. 

O acordo de US$ 1 bilhão da Sumitomo Metal Mining no mês passado para aumentar sua participação em uma mina da Freeport-McMoRan refletiu um preço implícito que excede os preços à vista atuais, de acordo com a Sanford C. Bernstein.

O Goldman Sachs Group projetou mais perdas para o cobre neste ano, dizendo no mês passado que não esperava uma recuperação material no crescimento da demanda chinesa de metais. 

É provável que haja um déficit no final da década, disse a BHP Billiton na semana passada, pois a produção de cobre está limitada nas minas existentes nos graus mais baixos.

Embora talvez algumas mineradoras pequenas com custos mais elevados tenham que fechar para estabilizar os preços, uma grande proporção dos produtores tem custos de caixa que os deixam “em cima do muro”, disse Landerretche. 

“Então, isso faz com que este tipo de situação seja angustiante”, porque as mineradoras ainda estão tentando evitar o fechamento completo de operações, disse ele.

Até o final de 2016, a Codelco terá reduzido os custos operacionais em US$ 2,5 bilhões em dois anos e continua procurando mais formas de economizar, disse ele.