Mike Parker

Presidente e CEO da Dow Chemical de Midland, Michigan

O que sei sobre liderança aprendi com outras pessoas, principalmente com minha mãe. Ela não tinha muito estudo, passou por muitas dificuldades e teve de lidar com enormes desafios na vida, mas sempre enfrentou tudo com calma e moderação. Jamais entrou em pânico.

Quando criança, pratiquei muito esporte. Minha mãe sempre procurava me animar, de modo que eu nunca ficasse desapontado com os altos e baixos das vitórias e derrotas. Se eu ganhava um torneio fechado de tênis, ela fazia questão que eu compreendesse por que havia vencido. Se eu perdia, ela me ajudava a entender a derrota.

Outra coisa que ela me dizia era que vivíamos numa comunidade pequena. Os vizinhos estavam ali bem perto de nós, por isso saberiam imediatamente que tipo de pessoas éramos — quiséssemos ou não. Até hoje, essa é a marca registrada da Dow: somos uma empresa que se assemelha a uma pequena cidade. Tentamos sempre conduzir nossos negócios de forma que nossos vizinhos sintam respeito por nós, proporcionando ao mesmo tempo talento e riqueza à comunidade.

Grande parte da liderança ruim que se vê por aí é resultado da incapacidade, ou da falta de disposição, de fazer perguntas. Já vi gente de talento — com QI bem acima do meu — que não deu certo como líder. Sabe discursar com eloqüência, conhece muita coisa, mas não sabe fazer perguntas. Embora saiba tudo o que acontece num plano mais elevado, desconhece o que se passa no nível mais básico do sistema. Tais pessoas, às vezes, têm medo de fazer perguntas tolas. Ignoram que estas são, muitas vezes, a porta para o diálogo.