Mercado Livre e Azul fazem parceria para entregas por via aérea em 1 dia

Presidente da Azul, John Rodgerson, afirmou que a empresa aérea fará um investimento superior a US$ 5 bilhões para realizar o serviço

Os cofundadores do Mercado Livre, Stelleo Tolda e Marcos Galperin, e o presidente da Azul, John Rodgerson, anunciaram uma parceria entre as duas empresas para realizar entregas de produtos por via aérea em todo o Brasil.

O presidente da Azul, John Rodgerson, lembrou que empresa prevê investimentos de US$ 1,5 bilhão para novas aeronaves. “Temos que acompanhar o crescimento do Mercado Livre. Vamos investir pesado na empresa para realizar as entregas. Essa parceria é só o começo”, disse Rodgerson.

“A gente começa a democratizar cada vez mais os serviços de entrega em 1 dia, que são muito concentrados em São Paulo e Rio de Janeiro”, afirmou o cofundador do Mercado Livre, Stelleo Tolda. “O futuro é a entrega Next Day e a Azul vai ser parte importante desse processo”, acrescentou Tolda.

O vice-presidente de Mercado Envios para a América Latina do Mercado Livre, Leandro Bassoi, afirmou que “para o consumidor, isso significa entregas mais rápidas, utilizando a malha logística do Mercado Livre e da Azul, que cobre todo o território nacional, com 900 voos diários. Por meio dessa parceria, temos a expectativa de atingir números altíssimos e entregas em tempo cada vez menor”, disse Bassoi.

Representantes do Mercado Livre também afirmaram que a empresa inaugurou um CD de Fulfillment na cidade de Cajamar, em São Paulo.

“Atualmente, cerca de 30% de todas as entregas são realizadas por meio da nossa malha logística. Há um ano, eram apenas 5%”, afirmou o vice-presidente de Mercado Envios para a América Latina, Leandro Bassoi. “Também estamos avançando no porcentual de entregas em até dois dias. Atualmente, 60% das entregas feitas por Fulfillment ocorrem neste prazo.”

O Mercado Livre já conta com um CD na cidade de Louveira, em São Paulo, e três centros de Cross Docking também no estado paulista com uma malha logística de mais de 200 mil metros quadrados.

Veja também

A empresa anunciou também, durante o evento, o programa Places, ainda em fase piloto e com foco na capital de São Paulo. Com o Places, locais habilitados pelo Mercado Livre vão receber pacotes de vendedores do marketplace. “Os produtos são retirados pela equipe de Cross-Docking da empresa, que dá seguimento ao envio ao consumidor de forma mais rápida”, afirmaram representantes da empresa.

“Queremos entregas mais rápidas com menos custos. Temos conseguido, dentro do marketplace, uma conversão melhor em vendas, por meio da experiência do cliente”, disseram representantes do Mercado Livre.

O programa Places será feito pelo Mercado Livre em parceria com a empresa Kangu, que atuará como agregadora dos pontos físicos.

Novo banco no mercado

A próxima etapa do crescimento do Mercado Livre passa por se tornar uma instituição financeira completa, ou seja, um banco. “Está em aberto a gente se transformar em uma instituição financeira completa e poder dar crédito de forma direta”, disse. “Já somos uma instituição regulada pelo BC e seria um passo natural.”

Nesse sentido, o Mercado Livre, por meio do serviço Mercado Crédito, anunciou a ampliação da oferta de crédito aos consumidores da plataforma (financiamento de compras por meio do parcelamento de boletos). Agora serão 3,1 milhões de clientes com crédito pré-aprovado.

“Nosso cliente terá à sua disposição uma contratação de crédito simples e rápida, 100% digital e sem tarifas extras”, destaca Pedro de Paula, head do Mercado Crédito no Brasil. “Nosso modelo de análise de crédito tem como diferencial o conhecimento do histórico do cliente no Mercado Livre. Desenvolvemos um modelo de Machine Learning que permite uma avaliação assertiva do ‘bom pagador'”, destaca Pedro de Paula, head do Mercado Crédito no Brasil.

Na fase atual, a oferta de crédito para consumidores na plataforma já contemplou cerca de 350 mil clientes do marketplace, sendo que 70% dessa base são recorrentes ou já receberam aumento no valor da linha de crédito.

“O serviço é destinado às pessoas que hoje não são atendidas adequadamente pelo sistema financeiro tradicional. Três em cada dez brasileiros utilizam o crediário como forma de financiar suas compras, mas esbarram na dificuldade em comprovar renda ou possuir um bom score de crédito. Facilitar a compra de bens de valor agregado é o primeiro passo que damos para ampliar o acesso ao crédito para consumidores, e está em linha com a nossa missão de democratizar o comércio e contribuir com a inclusão financeira”, ressalta Pedro.