“Me sinto bem preparado para presidência do Itaú”, diz Bracher

Bracher afirmou que sua gestão será de continuidade do trabalho feito na instituição

São Paulo – Candido Bracher, escolhido para suceder a Roberto Setubal na presidência do Itaú Unibanco, afirmou que sua gestão será de continuidade do trabalho feito na instituição. De acordo com ele, os desafios mudam, mas o Itaú segue focado no cliente e na performance.

“Cada tempo tem os seus desafios. Por outro lado, vejo um cenário econômico muito mais benigno do que vivemos no último ano. No curto prazo, a gente vê com otimismo o desenrolar da economia. Negócios vão poder ter desenvolvimento melhor”, afirmou Bracher, em sua primeira coletiva de imprensa.

O objetivo, conforme ele, é desenvolver uma cultura digital no banco, dentro de custos competitivos. O executivo disse ainda que se sente preparado para o cargo, mas que no período de transição poderá se preparar ainda mais.

“Agradeço ao Pedro (Moreira Salles), ao Roberto (Setubal) e ao Conselho por me proporcionarem esse desafio que considero fascinante. Assumirei com grande entusiasmo a partir de maio do ano que vem. Até lá, terei tempo para me preparar melhor. Mas me considero bem preparado”, destacou ele.

Moreira Salles

Candido Bracher assumirá a presidência do Itaú Unibanco entre abril e maio do ano que vem, de acordo com Pedro Moreira Salles, presidente do conselho de administração da instituição.

“Nesse período, o Roberto continua exercendo papel de CEO e Candido o acompanhará em todas as áreas e não mais de sua responsabilidade específica”, explicou ele, em coletiva de imprensa, nesta tarde de quarta-feira, 9.

Roberto Setubal

Com isso, Roberto Setubal, atualmente presidente do banco, assume como co-presidente do conselho de administração do Itaú ao lado de Pedro Moreira Salles.

“Em março do ano que vem, completo 23 anos como presidente do banco. Me sinto amplamente realizado por tudo o que foi feito ao longo desses 23 anos, com crescimentos bastante expressivos, maiores que 20% ao ano durante todo esse período”, disse Setubal.

O executivo disse ainda que se sente “feliz” por passar o cargo para Candido, que está no banco desde a operação com o BBA, em novembro de 2002, praticamente 14 anos.

“Candido é um profissional competente. Ele terá condições de levar adiante trabalho realizado a várias mãos”, avaliou Setubal, acrescentando que o banco prima pela cultura da meritocracia e que as pessoas são o grande ativo do banco.