Manchester United perde em campo mas ganha em patrocínios

Apesar da pior temporada desde 1992, United obteve um aumento de 39% nas vendas de patrocínio no último trimestre de 2013

Madri – A pior temporada do Manchester United desde pelo menos 1992 foi enfatizada ontem com a saída do técnico David Moyes. Em termos de negócios, no entanto, poucas equipes se comparam com o clube.

Moyes, 50, escolhido por Scot Alex Ferguson como seu sucessor, foi substituído ontem, quatro jogos antes do fim da pior temporada do United no Campeonato Inglês. Sob o comando de Moyes, o time perdeu 11 dos seus 34 jogos no campeonato e está em 7º lugar, apenas um ano depois de ter conquistado o 20º título inglês, um recorde.

Fora de campo, o United obteve um aumento de 39 por cento nas vendas de patrocínio no trimestre que terminou em 31 de dezembro – os mais recentes resultados disponíveis. O clube tem a maior bilheteria e as maiores vendas em dias de jogo do que qualquer outro do mundo, de acordo com a empresa de contabilidade internacional Deloitte LLP. Moyes resistiu menos de uma temporada do seu contrato por seis anos.

“É um momento perturbador para o time, mas as vendas não despencarão em um abismo”, disse Dave Chattaway, que ajuda a compilar um ranking anual de marcas de clubes de futebol para a Brand Finance Ltd., de Londres, em entrevista telefônica. “A maioria dos outros times ainda está tentando acompanhar o ritmo”.

O United está usando o que o vice-presidente Ed Woodward chama de “bisturi em vez de espada” como abordagem para arrebatar patrocinadores do Chile ao Vietnã. Desde que a família Glazer – americanos que também são proprietários do time Tampa Bay Buccaneers, que disputa a NFL – assumiu o controle em 2005, o United estabeleceu escritórios comerciais em Londres e em Hong Kong. O FC Barcelona seguiu o exemplo do United no ano passado, quando decidiu alugar um escritório em Hong Kong.

Mais novos patrocinadores

O lucro do time inglês no trimestre que terminou em 31 de dezembro foi de 19,8 milhões de libras (US$ 33,3 milhões), frente aos 19 milhões de libras no mesmo período do ano anterior. O valor é quase o mesmo que o lucro que o Real Madrid e o Barcelona – os maiores times de futebol em termos de vendas – obtêm em um ano inteiro.

O United tinha uma dívida bruta de 356 milhões de libras no fim do ano passado, 2,7 por cento a menos que no ano anterior, de acordo com o relatório de lucros mais recente. O time não tinha dívidas antes de ser comprado pela família Glazer e pagou aproximadamente 600 milhões em juros e outros custos de financiamento desde então.


Alguns dos mais novos patrocinadores no portfólio de 35 empresas do United – a empresa de alimentos Ottogi Corp., da Coreia do Sul, e a confeitaria tailandesa European Food Public Co. – foram anunciados neste mês.

“É um negócio muito sólido”, disse Dominic Curran, diretor administrativo da empresa de consultoria de patrocínios Synergy, de Londres. “Eles sempre estiveram um pouco à frente dos demais. Uma temporada ruim não vai afetar isso”.

Liga dos Campeões

O United ficará de fora da Liga dos Campeões pela primeira vez em 19 anos. A competição entre os melhores times europeus rendeu ao United 35,6 milhões de euros (US$ 49,1 milhões) em prêmio em dinheiro na última temporada, além de vendas adicionais de ingressos e hospitalidade corporativa.

A queda do United sob o comando de Moyes vai limitar os futuros acordos de patrocínio e prejudicar a venda de camisetas, de acordo com Edward Freedman, que chefiou a unidade de merchandising do United na década de 1990. Um contrato de 13 anos para as camisetas com a Nike Inc., de Oregon, no valor de 303 milhões de libras, terminará no próximo ano. Woodward tentará aumentar essa receita.

O United agora está “vivendo das glórias do passado”, disse Freedman.

Giggs no interim

Ryan Giggs, que jogou 962 vezes pelo United, assumiu temporariamente o comando no lugar de Moyes, até que uma nomeação permanente seja realizada, disse ontem o United.

A maioria dos torcedores do United se manterá fiel enquanto o clube de 136 anos tenta recuperar sua forma e os parceiros comerciais também se manterão firmes, disse Chattaway. A General Motors Co. está pagando US$ 559 milhões para colocar sua marca Chevrolet na camiseta do United até 2021.

“Eles têm diversos mercados garantidos”, disse.