Lucro de empresas na Bolsa cai 12,3% no primeiro trimestre

Os lucros das 320 empresas brasileiras de capital aberto somaram R$ 40,2 bilhões nos três primeiros meses de 2013

Rio de Janeiro – O lucro líquido somado das 320 empresas brasileiras na Bolsa de São Paulo caiu 12,29% no primeiro trimestre do ano em comparação com o mesmo período de 2012, segundo um estudo divulgado nesta segunda-feira pela empresa de consultoria privada Economatica.

Os lucros das 320 empresas brasileiras de capital aberto somaram R$ 40,2 bilhões nos três primeiros meses de 2013 frente ao lucro de R$ 45,865 bilhões do primeiro trimestre do ano passado, segundo os cálculos da empresa de consultoria.

Dos 21 setores analisados, 11 registraram redução nos lucros e 10 conseguiram aumentá-los.

O setor do comércio, que inclui 18 empresas na bolsa, foi o que mais elevou seus lucros no primeiro trimestre, com um aumento de 46,24%, até R$ 514,2 milhões.

Em seguida, ficou o setor de serviços de transporte, cujas 11 empresas obtiveram um lucro somado de R$ 828,2 milhões, com um crescimento de 33,01% frente ao primeiro trimestre do ano passado.

Por sua vez, o setor que mais reduziu o lucro no primeiro trimestre deste ano foi o de siderurgia e metalurgia, cujas 18 empresas obtiveram um lucro somado de R$ 59,5 milhões, com uma queda de 84,12%.

O segundo setor que mais sofreu redução nos lucros foi o de veículos e autopeças, cujas 17 empresas obtiveram no primeiro trimestre um lucro somado de R$ 96,5 milhões, com uma redução de 54,14%.


O setor mais lucrativo no Brasil continua sendo o bancário, cujas 24 empresas obtiveram no trimestre um lucro somado de R$ 11,5 bilhões, com um aumento de 0,23% frente aos três primeiros meses de 2012.

O segundo setor mais lucrativo é o de petróleo e gás, com seis empresas que registraram um lucro líquido somado de R$ 7,05 bilhões nos três primeiros meses de 2013, com uma redução de 24,38% frente ao mesmo período do ano passado.

Por empresas, a companhia brasileira de capital aberto mais lucrativa no primeiro trimestre foi a Petrobras, apesar de seus lucros terem reduzido 16,51%, até R$ 7,69 bilhões.

Em seguida, ficaram a mineira Vale, com um lucro de R$ 6,2 bilhões, apesar de apresentar uma queda de 7,73%, e os bancos Itaú Unibanco e Bradesco, com lucro trimestral de R$ 3,4 bilhões e R$ 2,9 bilhões, respectivamente.

As duas empresas com as maiores perdas trimestrais foram a companhia petrolífera OGX e a energética MPX, ambas controladas pelo multimilionário Eike Batista, que até o ano passado era o homem mais rico do Brasil e o oitavo no mundo.

A OGX registrou no trimestre perdas de R$ 798,8 milhões e a MPX perdas de R$ 250,9 milhões.