Loja Pontofrio tem de vitrine virtual a reconhecimento facial

Na nova unidade, vendedores terão acesso a histórico de compras online, câmeras analisam a satisfação do consumidor e há estantes virtuais em tamanho real

São Paulo – Prateleiras virtuais, telas com geladeiras em tamanho real e câmeras para medir a satisfação em relação ao atendimento são algumas das novidades que a Via Varejo introduziu em sua nova loja.

A primeira unidade, da marca Pontofrio, foi inaugurada em no dia 23, no Shopping Vila Olímpia, em São Paulo. A loja está recheada de invenções para deixar o consumidor mais satisfeito e, consequentemente, vender mais.

Para medir a satisfação de quem sai da loja, por exemplo, a empresa usa câmeras e uma tecnologia de reconhecimento facial para verificar se a pessoa saiu mais feliz do que entrou.

Marcelo Nogueira, diretor de Modelo de Vendas da Via Varejo, garante que a empresa não guarda esses arquivos e nem avalia as pessoas individualmente, mas que analisa, de maneira generalizada, as reações da última hora.

Outra forma de deixar o consumidor mais satisfeito é indicar o produto ideal a ele, diz o diretor. Por isso, a Via Varejo trabalhou para integrar a base de dados dos clientes físico e online, o que deve ser concluído até o meio do ano.

Assim, os vendedores podem ter acesso ao histórico de compras do consumidor e sugerir produtos de forma mais direcionada.  “Se um consumidor pesquisar um item online, colocar no carrinho e abandonar a compra, o vendedor pode retomar a venda de onde ela parou, ao invés de começar do zero”, afirma Nogueira.

Via Vitrine digital

Um dos principais atrativos da loja é a tela de é uma tela de 2,30 metros de altura, que funciona como uma vitrine virtual. As imagens em tamanho real de geladeiras, fogões e máquinas de lavar são interativas, podem ser ampliadas e mostram informações sobre o produto.

Também há prateleiras virtuais de produtos, com imagens de batedeiras, fritadeiras e liquidificadores. Óculos de realidade virtual ajudam a entender a dimensão de certos móveis.

A loja, no entanto, não é apenas digital. Certos produtos estão fisicamente expostos, para serem vistos e testados pelos clientes.

“Ainda há uma barreira para as compras on-line, porque clientes querem pegar os produtos na mão”, afirma Nogueira. De acordo com ele, a empresa precisa ser flexível para atender todos os públicos, desde aqueles que se sentem confortáveis comprando pela internet quanto aqueles que preferem a experiência de uma loja física.

A empresa ainda está pesquisando quais são os melhores produtos para serem expostos fisicamente, e aqueles que podem ser substituídos por suas versões digitais. O mesmo vale para o estoque, que nessa unidade é reduzido.

Cada produto traz informações como tamanho, peso, materiais e até uma seleção de comentários que foram feitos no site da Pontofrio.

A loja ainda conta com óculos de realidade virtual para as vendas de móveis, totens digitais, wif-fi gratuito e medição do mapa de calor, entre outras tecnologias.

Laboratório

O espaço irá funcionar como um laboratório, no qual a Via Varejo irá testar novas tecnologias antes de aplicá-las em outras lojas.

Ainda que a loja gire em torno da experimentação, ela também precisa gerar lucro. “Para existir, o espaço precisa ser viável. As nossas metas são até mais agressivas do que para uma loja comum”, afirmou o diretor.

Isso porque a produtividade de uma loja é medida por vendas por metro quadrado. Como a loja é menor – 170 metros quadrados ao invés da média de 1.100 metros quadrados – ela tem a capacidade de ser mais eficiente.

Porém, por causa da tecnologia, a medição das vendas não funciona da mesma forma que em lojas normais. Se o cliente pesquisou um item na loja e só finalizou a compra dias mais tarde, no site ou em outra unidade, a venda também é contabilizada.