King, criadora do Candy Crush, fatura US$ 1,8 bilhão em 2013

Estúdio britânico desenvolve mais 180 jogos, mas afirma que 78% de sua receita veio da viciante saga açucarada, que atrai 93 milhões de usuários todos os dias

São Paulo – No mesmo dia em que a empresa britânica King anunciou que abrirá capital na bolsa de Nova York, ela comunicou que atingiu receitas de 1,88 bilhão de dólares em 2013, valor mais de 10 vezes maior que os 164 milhões do ano anterior.

O lucro, de 567 milhões de dólares, é incomparavelmente maior que os 7,8 milhões de 2012. O motivo? Um viciante jogo para celulares e tablets chamado Candy Crush Saga, lançado em outubro de 2012.

Apesar de a empresa possuir mais de 180 jogos disponíveis, 78% de sua receita veio da viciante saga açucarada, que é gratuita, mas cobra por recursos extras, como mais vidas ou apetrechos que facilitam as jogadas – um doce que destrua todos os outros ou alguns movimentos a mais antes de acabar suas vidas.

Estima-se que essas vendas movimentem 790.000 dólares por dia na loja da Apple. Mais de 93 milhões de jogadores abrem o aplicativo todos os dias.

Mas, ainda que os números impressionem, analistas temem pela empresa, que precisa provar que vai além de apenas um jogo e que trará coisas novas.

Em 2011, a Zynga, criadora do jogo FarmVille, também abriu capital na bolsa, apenas para ver suas ações caírem em disparada desde então. 

A King, porém, parece ser um pouco mais estável do que isso. Ainda que dependa imensamente de seu produto principal, ela já emplacou outros dois aplicativos na lista dos 10 mais baixados da Apple de novembro e dezembro, os jogos Papa Pear e Farm Heroes.

Além disso, é esperado que o mercado de jogos para celulares cresça 30% só em 2014. Resta saber se isso será suficiente para acalmar os futuros acionistas.