Jogo bruto na BCP

A queda-de-braço entre a BCP e seus credores deve ficar mais dura nos próximos dias. A operadora de telefonia celular não pagou dívidas de 375 milhões de dólares que venceram no dia 28 de março passado, e os bancos e fornecedores que têm ao todo 1,6 bilhão de dólares para receber prometem jogar pesado para evitar o calote.

Eles estudam executar as garantias dos empréstimos, tirando a BCP das mãos da canadense Bell South e do Grupo Safra. Os credores querem evitar que outras grandes empresas com dívidas se inspirem na BCP e optem por renegociá-las de forma unilateral.