J&F fecha acordo de leniência com multa de R$ 10,3 bilhões

O montante, a ser pago em 25 anos, representa, segundo o Ministério Público Federal, o maior para esse tipo de acordo no mundo

A Procuradoria-Geral da República e os negociadores da holding J&F, controladora da empresa JBS, chegaram a um acordo no valor de R$ 10,3 bilhões da multa que deverá ser paga pela empresa para a assinatura do acordo de leniência.

O montante, a ser pago em 25 anos, representa, segundo o Ministério Público Federal, o maior para esse tipo de acordo no mundo.

Considerando a correção, a projeção é que o total a ser pago pela J&F, o chamado valor futuro, alcance cerca de R$ 20 bilhões.

O acordo, que deverá ser assinado nos próximos dias, inclui fatos investigados nas operações Greenfield, Sépsis e Cui Bono, além da Bullish e da Carne Fraca. Do total a ser pago, R$ 8 bilhões serão destinados à Fundação dos Economiários Federais (Funcef) (25%), à Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros) (25%), ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) (25%), à União (12,5%), ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) (6,25 %) e à Caixa Econômica Federal (6,25%).

“O restante da multa, R$ 2,3 bilhões, será pago por meio de projetos sociais, especialmente nas áreas de educação, saúde e prevenção da corrupção. O prazo de pagamento foi fixado em 25 anos, sendo que, neste período, os valores serão corrigidos pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo [IPCA]”, diz nota do MPF.

Pelo acordo, os pagamentos serão feitos exclusivamente pela holding controladora e deverão ser iniciados em dezembro de 2017.

O total estipulado na negociação representa 5,62% do faturamento livre de impostos registrado pelas empresas do grupo em 2016.

De acordo com o Ministério Público Federal, o percentual de multa por faturamento equivale à média verificada em outros quatro acordos firmados no âmbito da Operação Laja Jato.

Em termos absolutos, o montante representa mais que a soma dos valores que serão pagos por Odebrecht (R$ 3,28 bilhões), Brasken (R$ 3,1 billhões), Andrade Gutierrez (R$ 1 bilhão) e Camargo Corrêa (R$ 700 milhões). Segundo o MPF, diferentemente do que previram outros acordos, no caso da J&F, todo o valor de multa arrecadado ficará no Brasil.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alberto Figueiredo

    Maravilhoso! Devolvem 1/3 do que roubaram para se dizerem honestos, valeu

  2. Claudemar Bueno

    Devolvem apenas 1/3 e uma grossa parte do dinheiro é destinado às fundações de estatais. Pq não usam tudo para cobrir o rombo da previdência???

  3. Piriguetes do Grajaú

    Ainda é pouco. Vamos fazer justiça em vez de dar apenas uma satisfação a população ignorante.

  4. Juliano Do Vale

    Isso da 0,24 % do faturamento anula bruto do grupo. Isso é ridículo. Será que ninguém sabe fazer conta na PGR? Pelo amor de deus…

  5. Antonio Carlos Gomes

    Acordo caracu!
    Um grupo que fatura mais de 170 bilhões por ano, devolver 10,3 bilhões parcelados em 25 anos, mesmo que o valor seja corrigido dá cerca 800 milhões no máximo ano ou seja menos 0,05% do faturamento anual, para um grupo que pegou cerca 25 bilhões sabidamente do dinheiro do povo Brasileiro em poucas parcelas os usando em detrimento do Brasil e de seu povo, isso é qualquer outra coisa menos uma punição.
    Definitivamente não temos justiça no Brasil!

  6. Luiz Parussolo

    Um acordo desses aqui é maravilhoso para a JBS, 25 anos corrigidos apenas pelo IPCA e sem nada de juros e ele trabalhando o dinheiro ele não pagará nada. Esse é acordo para inglês vê. Outra coisa interessante é a distribuição dos recursos: Fundação dos Economiários o que tem a ver com esses recursos. a Petros O FGTS sim e deve ser muito mais porque houve financiamentos com recursos do fundo e dinheiro dado de graça conforme as taxas praticadas. Os projetos sociais precisam ser determinados e fiscalizados os repasses e as aplicações dos recursos pelas entidades beneficiária porque o país é corrupção em quase tudo. Estamos vivendo no país A Arte de Furtar, livro de um padre jesuíta português escrito em 1642. É lá que ainda estamos, em 1642.

  7. Pedro Evandro Montini

    Seria melhor se a pena da holding fosse o pagamento de bolsas de estudo (escola+faculdade) para 1 milhão de estudantes pobres durante o mesmo período.

  8. genor machado

    Já é frouxo esse ministério público,…25 anos !!??? O correto é confiscar td desses ladrões….